Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]




Luso, o "fundador" de Portugal

por Thynus, em 19.01.13

É engraçado como as coisas são. A palavra “luso” (e o seu feminino “lusa”), que tanto pode ser substantivo como adjetivo, serve desde há muito de sinónimo a “português”. Os Espanhóis, sobretudo, utilizam-na muito na imprensa quando querem referir-se a estes seus vizinhos, que somos nós: el gobierno luso, la capital lusa… Talvez a generalidade das pessoas, sem refletir muito no assunto, julgue que se trata de uma abreviatura de “lusitano”. Mas passa-se exatamente o contrário. Luso é anterior aos lusitanos.

De que Luso estamos a falar? Aparentemente, de uma figura da mitologia greco-latina, de um filho de Baco, o deus do Vinho. Significará isto que os Portugueses são todos uns bêbedos? Claro que não. O facto de este nosso lendário progenitor ser filho de Baco deve-se ao acaso ou, quando muito, a uma coincidência. E pode mesmo derivar de um erro de tradução de obras mitológicas latinas onde autores romanos como Plínio, o Velho, e Varrão atribuíam a Baco a conquista do ocidente da Hispânia. Nesses textos, lusus pode significar “jogo”, “brincadeira” ou “diversão”, e não ser um nome próprio. Estaria assim a falar-se da conquista da região como de um “divertimento do pai Baco”. E daí a confusão com “Luso de pai Baco”, ao que parece por culpa do humanista português André de Resende, que no século XVI, terá traduzido a coisa mal.
Bem ou mal traduzido, o que importa é que Luís de Camões logo a seguir pegou na ideia e a desenvolveu largamente no seu celebérrimo poema épico Os Lusíadas. Daí em diante, o enigmático Luso “tornou-se” mesmo o fundador de Portugal. Coisa que, aliás, veio a dar um jeito enorme durante o período da anexação do país à Coroa espanhola (1580-1640), quando importava reivindicar para este retângulo uma autonomia, uma antiguidade e uma paternidade respeitáveis. E haveria coisa mais venerável e séria do que um país fundado pelo filho de um deus – mesmo que esse deus fosse o do vinho?...
Perguntar-se-á então: se toda esta confusão é muito posterior, de onde vêm os nomes Lusitânia aplicado pelos Romanos a uma das suas províncias da Península Ibérica e Lusitanos a um dos povos que a habitavam? Pode vir da expressão celta Lus Tanos (“Tribo de Lus”), mas não se sabe ao certo, tanto mais que os próprios Lusitanos não se reviam nesse nome.
Certeza, só uma: Luso, filho de Baco, nunca existiu. E baco também não, claro. O melhor será mesmo mudarmos de assunto.

(Luís Almeida Martins, -  “365 DIAS com histórias da HISTÓRIA de PORTUGAL”)

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 18:56



Mais sobre mim

foto do autor


Pesquisar

Pesquisar no Blog

Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2016
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2015
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2014
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2013
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2012
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2011
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2010
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2009
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2008
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2007
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D