Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]



"Não se pode confiar o destino da humanidade ao dogma e ao programa neo-liberalista, que vê a solução para todos os problemas no crescimento de um mercado auto-regulado, finalmente livre de obstáculos desnecessários e perigosos para o progresso da globalização. Aconteça o que acontecer, deve haver um espaço da "política", que "une" os seres humanos, perseguindo e respeitando os critérios de ética e de justiça."
Quem realmente tem o poder hoje no mundo globalizado? Os governos dos Estados, com os seus líderes políticos? Ou talvez, as grandes multinacionais, os supermanagers dos salários milionários, os novos ricos como o Bill Gates? Ou talvez o poder anónimo, misteriosa dos grandes negócios? O justo equilíbrio entre o poder político e poder económico é uma questão sobre a qual os filósofos refletem desde os tempos da Grécia antiga, mas que com a recente crise financeira global está de volta com novidades explosivas. Historicamente, começando com Aristóteles e Hobbes, os filósofos sempre privilegiaram o “homo politicus” comparado ao “homo oeconomicus”. O triunfo do mercado parece ter quebrado este equilíbrio. Hoje é posta em questão a própria idéia de soberania: a criação de instituições supranacionais cada vez mais poderosas e necessárias (dada a escala global de muitos problemas) e as pressões para a descentralização têm reduzido o poder dos antigos Estados, que tem cada vez menos influência no que diz respeito à economia e às finanças. No entanto, argumenta vigorosamente Massimo Terni, não podemos fazer nada sem a política. Porque não podemos confiar cegamente no pensamento único neoliberalista. Porque somos cidadãos e não simples consumidores de um "produto político". Porque deve haver uma diferença entre o capital limpo e o sujo gerenciado por máfias internacionais com violência. Porque queremos viver numa sociedade que respeite a ética e a justiça.

Máximo de Terni lecionou História do Pensamento Político na Universidade Estatal de Milão e na Universidade Oriental de Naples. Entre as suas obras contam-se: "O plano de soberania. Teologia e Política na Idade Média e na Idade Moderna" (1995), "Um mapa do Estado. Guerra e política entre o regime das almas e governo dos súbditos" (2003).

Autoria e outros dados (tags, etc)

Tags:

publicado às 09:43


Comentar:

Comentar via SAPO Blogs

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.



Mais sobre mim

foto do autor


Pesquisar

Pesquisar no Blog

Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2016
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2015
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2014
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2013
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2012
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2011
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2010
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2009
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2008
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2007
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D

subscrever feeds