Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



Zygmunt Bauman é um dos mais interessantes observadores contemporâneos da sociedade "pós-moderna" e das suas patologias.
Ele representa bem o impasse em que se encontra grande parte do pensamento de formação marxista, quando considera a sociedade "pós-moderna". É visível a perturbante nostalgia de um inimigo visível, que agora não tem mais necessidade da sua subalternidade. E, portanto, da sua aliança.
Nasce também daqui “A solidão do cidadão global”. A velha paixão do poder para um controlo apertado do território foi substituída, na era da globalização, pela facilidade, e, muitas vezes, pela conveniência, em abandoná-lo. Destes ingredientes, é feita “A sociedade das incertezas”.
Em tempos de globalização, não é mais possível a "secessão dos plebeus contra os quais se insurgiu na Roma antiga o alerta de Meneno Agripa”. Agora, em vez disso, basta que os 'nobres', ameacem fazer as malas e ir-se embora, para que os plebeus se acalmem.
A representação da realidade global, proposta por Bauman, contém também confusões, e às vezes semibanalidades. Completamenta diferente, sobre os mesmos assuntos, a precisão de Serge Latouche: “A invenção da economia”, que carece, no entanto, do apoio editorial e universitário anglo-saxão, dos quais Bauman dispõe. Isto não significa, como sublinhou o junguiano Etienne Perrot, que a teoria fundamental de Bauman, isto é, a globalização vista como uma subversão dos territórios por obra do espaço mercantil, continua sólida, mesmo que não tenha sido descoberta por ele. Bauman ilustrou-a, sobretudo, no “Interior da globalização. As conseqüências sobre as pessoas”.
Esta "subversão dos territórios", não só e não tanto físicos, quanto psicológicos e culturais, e os riscos produzidos por ela sobre o indivíduo (um tema já estudado com menos dramaticidade na obra de Anthony Giddens), leva Bauman a abordar a questão a que se dedicam em grande parte as suas últimas obras.
Como no “Desejo de comunidade"(Missing Comunidade, em em Inglês). Aqui, Bauman, fiel à vocação do seu pensamento utilitarista, sugere um retorno da anarquia pós-moderna a uma comunidade vinculada por interesses comuns e recíprocos. Os interesses, no entanto, como sabia muito bem não apenas Ferdinand Tönnies, mas também Max Weber, não são suficientes para convencer o povo aos sacrifícios necessários para a comunidade. Este trabalho bem mais empenhativo requer a condivisão de um sistema simbólico. Uma questão que Bauman não pode na realidade enfrentar, porque a sua estrada está bloqueada pela crença de que os grandes crimes começam com as grandes idéias, que, como sabemos, encaminham para sistemas simbólicos, de que frequentemente surgem.
Daí o drama de Bauman, e não apenas dele. No entanto, as ciências humanas desde o início sabem que os ingredientes da Gemeinschaft (comunidade) são diferentes dos interesses da Gesellschaft (sociedade). Se a primeira faz-te muito medo, mantem-te na segunda.
É impossível ter Menenio Agripa, sem a ordem simbólica a que a sua fábula se refere.

Autoria e outros dados (tags, etc)

Tags:

publicado às 19:48


A solidão do cidadão global

por Thynus, em 21.07.11

 

Acreditamos que vivemos numa era em que todos os problemas e questões relativos à nossa liberdade estejam já todo resolvidos. A verdade é que queremos um mundo melhor, mas sabemos que, individualmente, torna-se impossível idealiza-lo e construí-lo. Isto é porque foi-nos tirada a voz "social".
Estranho acreditar que estas duas convicções sejam inerentes a nós, como contraditórias: como se pode acreditar que numa e noutra? Se se está convencido de que a batalha pela liberdade foi ganha, por outra ... como é possível imaginar que a possibilidade de um mundo melhor não esteja entre os troféus desta a vitória?
Na verdade, temos sido persuadidos a pensar que este é o melhor mundo em que podemos viver e, portanto, aceitamos a realidade, defendendo a única coisa que podemos identificar com as nossas liberdade: os nossos interesses privados.
Mas aqui falamos de proteção da propriedade privada, não da liberdade pessoal. Devemos apoiar a liberdade de todos de todos para ter alegrias pessoais, apelando para o social.
A nossa existência social ainda é incerta, porque somos vítimas do que Bauman chama de "Unsicherheit", ou seja, a incerteza, a insegurança existencial e a falta de garantias de segurança para própria pessoa, precariedade.
O que nos falta é uma ponte que ligue a voz privada no mundo público. A política, neste contexto, é a primeira matriz do problema. Bauman diz que ela está cheia de insignificância, sem programas. O objetivo dos políticos é manter no cargo.
A política deve fornecer a capacidade de superar as nossas limitações e promover uma vida social saudável.
Bauman busca uma solução para que isto seja viável, e identifica-a com a ágora. Estes espaços permitir-nos-iam lutar contra a insegurança imperante e dinamizar a nossa capacidade de ser capazes de realmente mudar as coisas e viver não num dos mundos possíveis, mas naquele que nós idealizamos e construimos.
Infelizmente, atualmente os espaços são tão poucos que essas mudanças parecem utópicas, também porque parece que a atenção global para um problema só se tenha apenas em ocasiões especiais e que tenham as características de uma explosão.
É difícil criar atenção e vontade para a sociabilidade.
O que acontece é grande ruído em tempos curtos.
Além disso, parece que a sociedade se mova numa direção comum colocando toda a sua atenção "social" apenas em acontecimentos de interesse "externo" aos próprios problemas cotidianos, a atenção é voltada para factos extraordinários, como a morte de Lady Di.
Neste livro, Bauman oferece uma variedade de soluções e busca fornecer um modelo para criar um mundo melhor.
Primeiro, ele nos convida-nos a pensar. Não é verdade que somos herdeiros de uma sociedade pós-utópica e pós-ideológica porque todos os problemas já foram resolvidos.
Diz ele: Acho que as perguntas nunca são erradas, as respostas podem ser. Mas também acredito que abster-se de fazer perguntas seja a pior resposta de todos.
As soluções oferecidas por Bauman são identificadas num modelo republicano de estado e de cidadania, com o direito universal a uma renda mínima garantida e a expansão das instituições próprias de uma cidade autónoma até ao ponto de restaurar a capacidade de acção, através da apropriação de poderes que são atualmente extraterritoriais.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 20:35


Modernidade líquida

por Thynus, em 21.07.11


De acordo com Bauman, a sociedade tardo-moderna decreta a afirmação do indivíduo, mas do indivíduo de jure, não do indivíduo de facto. Sozinho, vulnerável, sem um espaço público a que se referir, sem uma dimensão política que apenas uma ressurreição da ágora pode garantir, o indivíduo contemporâneo não se eleva para o papel de cidadão, mas um isolado à mercê das suas escolhas e das suas derrotas, "com os olhos fixos apenas no seu desempenho."Se até há poucas décadas atrás, a ameaça para o homem vinha da intromissão do poder público, do olho penetrante do Big Brother,do totalitarismo, hoje, ao contrário, os perigos derivam da retirada do indivíduo e da pobreza da dimensão pública.O espaço público está agora reduzido a pouco mais de uma tela grande, “em que se faz pública confissão de segredos e confissões privadas." Não surpreendentemente, uma expressão típica do nosso tempo são os talk shou que proliferam nas televisões a todas as horas, onde quem intervem exibe uma sinceridade frequentemente inautêntica.” Julgado dono de seu destino e, portanto, culpado no caso de insucesso, o indivíduo é forçado pela ideologia triunfante a procurar, nas palavras de Ulrich Beck, uma "solução biográfica para contradições sistêmicas."
O individualismo hodierno é um individualismo pobre, onde prevalecem o interesse egoístico, a incerteza e o medo de falhar. O indivíduo instável do nosso tempo projecta e desloca os próprios medos sobre comprovados bodes expiatórios: o criminoso, o estrangeiro, o político com vida privada insensata, o vizinho, o conspirador.
A existência contemporânea está dominada pelo consumo: o shoping compulsivo é o ritual através do qual tentamos exorciczar os nossos medos. A verdadeira vida é aquela que é apresentada na TV, a vida dispendiosa da elite cheia de recursos. Vivemos na idade do glamour e da aparência. Apesar de tudo, o consumo desenfreado na procura sempre de novos objectos deixa-nos insatisfeitos, não cura a nossa insegurança e o nosso sentimento de precariedade.
A mercantilização diz também respeito às relações pessoais, que são vigentes enquanto garantem mútua satisfação. As relações são "temporárias", tal como os bens de consumo têm uma data de expiração. A fragilidade do novo tipo de união conjugal, especialmente no caso de pessoas comuns, não faz outra coisa senão produzir "miséria, agonia e sofrimento humano e um número crescente de vidas desfeitas, desprovidas de amor e de perspectivas."Os mais fracos, por exemplo, as crianças, que também são parte no processo, raramente são questionados.A saúde na sociedade contemporânea, tornou-se Fitness, na busca incansável e sempre insatisfeita de forma física perfeita. O trabalho, cada vez mais escasso, torna-nos intercambiáveis e licenciáveis."Os trabalhos seguros e em empresas seguras parecem uma recordação do passado; nem existem especializações e experiências que, uma vez adquiridas, possam garantir um emprego certo, e, sobretudo, duradouro."As guilhotinas que pairam sobre as nossas cabeças chamam-se “redimensionamento”, "otimização", “racionalização ", "demanda flutuante ", "concorrência", "produtividade", "eficiência". A "flexibilidade ", tão exaltada por economistas e especialistas contemporâneos, não é outra coisa que sinónimo de trabalho sem segurança, a curto prazo, sem qualquer direito futuro.Um livro para ler, com interesse, em que as teses do autor são expostas com uma clareza desprovida de qualquer subtileza metafísica. As considerações desconsoladas e lúcidas de Bauman tornam-no uma das vozes críticas mais importantes do nosso tempo.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 20:34


Amor líquido

por Thynus, em 21.07.11

A precariedade caracteriza a sociedade moderna em todos os seus aspectos, incluindo o amor e as relações humanas em geral. Com o conceito de liquidez, como contrário de solidez, Zygmunt Bauman define o contexto de incerteza e de constante decaimento em que vivemos.
"A solidão cria insegurança, mas também torna o relacionamento sentimental. Numa relação, podes sentir-te inseguro como estarias sem ela, ou pior. Mudam apenas os nomes que dás à tua ansiedade." Os personagens deste livro são os homens e mulheres nossos contemporâneos, e que anseiam pela segurança da agregação e de uma mão com que poder contar em momentos de necessidade. No entanto, são os mesmos que têm
medo de ficar ancorados em relações estáveis e temem que uma estreita ligaçãocomporte encargos que não querem nem pensam que podem suportar.
A liquidez nas relações humanas tem um sentido inverso da liquidez da conta bancária: se eu tenho no banco uma conta bem recheada, disponho de uma boa liquidez, um atributo potencializador do meu crédito. Para Bauman a liquidez das relações humanas é uma sensação de bolsos vazios, o vazio das relações sociais.
Uma das característicvas mais impressionantes da atual fase da modernidade é que não há nada sólido. A liquidez, entendida como processo contínuo de decomposição, parece ser o ícone móvel do mundo globalizado. Zygmunt Bauman, um dos maiores sociólogos vivos, cunhou a metáfora da liquidez num famoso livro há alguns anos, “Modernidade Líquida”; e agora está nas livrarias “Amor líquido”, que é uma espécie de continuação e desenvolvimento do discurso sobre a sociedade líquido-moderna. Este ensaio aborda a questão da precariedade da existência e a desintegração dos laços entre os indivíduos, mas também muitas outras questões. Bauman diz-nos que estamos vivendo uma nova fase da modernidade dedicada ao princípio da sobrevivência, que afasta a confiança, a compaixão, a piedade, e prelúdio para um abismo de perdas e vertigens, onde homens e mulheres encontram-se divididos entre o vazio exterior e o vazio interior. Não há "gaiola de ferro" que reja; a modernidade líquida é pervasiva, viscosa, penetrante e desintegra tudo o que toca. Corrói a solidariedade humana, “a primeira vítima dos triunfos do mercado consumidor." E é o consumismo, isto é, o ritmo da sucessão de compras, que transforma geneticamente o “homo faber” da fase sólida da modernidade no “homo consumans” da fase líquida; este último, desorientado por milhares milhares de cartazes na estrada e cooptado pelas mensagens que correm freneticamente no visor do telemóvel (celular), é "o único ponto estável no universo de objetos em movimento." O resultado deste processo é preocupante, pois intensifica a atomização social e gera novas formas de individualismo e de xenofobia, mas o fenômeno mais grave é a expropriação do agir em comum dobrado cada vez mais "sobre coisas que estão à mão, sobre questões locais e relações circunscritas". Bauman, também neste ensaio, que que se desenrola em volta de quatro capítulos (Inamorar-se e desinamorar-se, Dentro e fora da caixa de ferramentas de sociabilidade, Sobre a dificuldade de amar o nosso próximo, Agregação desmontada) aponta os perigos crescentes da sociedade líquido-moderna, que
se redefine como um depósito enorme de lixo que invade o nosso mundo.

Autoria e outros dados (tags, etc)

Tags:

publicado às 20:33


A arte da vida

por Thynus, em 21.07.11

"Qualquer que seja o dinheiro e o crédito de que dispomos, não encontraremos num shopping o amor e a amizade, os prazeres da vida familiar, a satisfação de cuidar dos nossos entes queridos ou de ajudar um vizinho em perigo, a auto-estima por um trabalho bem feito, a gratificação do "instinto para o trabalho " que temos, a simpatia e o respeito dos colegas de trabalho e das outras pessoas com quem lidamos; e não podemos alcançar a liberdade de ameaças de "indiferença, de desprezo e das humilhações."
Dinheiro, poder, capacidade de consumir sem limite: tudo isso dá felicidade? Bauman abre o seu mais recente ensaio com uma análise argumentada de como não seja assim, ainda que hoje poder de compra e felicidade pareçam sinónimos.
"Rótulos, marcas e logotipos são termos da linguagem de reconhecimento." Ou seja, são realizados para afirmar o papel e o estatuto social do indivíduo-consumidor. Além disso, a propaganda destaca a capacidade de mudança de um determinado consumo/produto: rejuvenesce, renova, muda a vida. É evidente o poder de fascinação desta mensagem que, além demais, não cria compromissos porque, quando um produto não nos agrada mais, pode ser excluído com tranquilidade, mais ainda, a sua rápida substituição é recomendada ... Estes "tempos de relacionamento" dizem respeito à posse de objetos, mas não só: dizem respeito à cultura hodierna das relações "com baixo comprometimento" no seu conjunto.No entanto, o sentimento de precariedade das relações é uma fonte de insegurança e sentimos saudades de sentimentos a longo prazo.Não é de subestimar a necessidade humana de afirmação do indivíduo contemporâneo: estado de ânimo extremamente difuso, elemento esse que em vez de “dar asas" puxa para baixo como um pedregulho. Mas então como se pode aprender a arte da vida, sugestivo título deste livro? Temos que tentar o impossível, diz Bauman.Porque a felicidade precisa estar sempre um passo acima dos outros, mas a estima dos outros é fundamental para dar base à nossa auto-estima ... Sempre desapontados prosseguimos na busca espasmódica da felicidade. "Deixo aos leitores, sublinha Bauman, que decidam se a coerção para procurar a felicidade na forma praticada na nossa sociedade de consumidores líquido-moderna, faz feliz aquele que é obrigado." Talvez não, parece querer sugerir-nos o autor.
Eis então a arte da vida como criação sempre renovável, que, como qualquer arte, é também sofrimento, é dor, é pesquisa, é renúncia, é prazer.
"A arte da vida" significa coisas diferentes para aquele que faz parte da velha ou a da nova geração, mas cada um é um artista e ninguém pode colocar de lado a arte.

Autoria e outros dados (tags, etc)

Tags:

publicado às 20:32


Vidas que não podemos permitir-nos

por Thynus, em 21.07.11

“A crise de crédito atual não é o resultado da falência dos bancos. Pelo contrário é o resultado - inteiramente previsível embora em grande parte imprevisto - do seu sucesso extraordinário. Sucesso na transformação de uma grande maioria de homens e mulheres, velhos e jovens numa raça de devedores. Os bancos conseguiram o que queriam: uma raça de eternos devedores que vive num estado de endividamento que se auto-perpetua e que só pedindo outros empréstimos pode realisticamente (mas temporariamente) obter uma sentença de pena suspensa."
Convidar Zygmunt Bauman para uma conferência que trate das formas contemporâneas assumidas pela sociedade de consumo deve ser como colocar em casa um hóspede, que nunca deixa de lembrar-nos que a sopa que acabaste de servir-lhe no prato não tem sal e está fria. Com cortesia impecável, no entanto, e explicando-te exatamente porque a sopa esfriou e certamente não vale a pena aquecê-la.Neste livro, resultado de conversas com Citlali Rovirosa-Madrazo, o espírito indomável do sociólogo polaco esguicha em cada oportunidade, como uma fonte que exploras a partir de uma veia profunda e inesgotável, e Bauman não perde a oportunidade para mostrar como as fórmulas utilizadas para criticar a deriva ultra-liberal adoptada pelos Estados nas últimas décadas são realmente slogans ferventes e ineficazes. Palavras vazias, ultrapassadas por uma realidade tão gritante a ponto de ser invisível para a maioria."Falência de Bancos"? Mas, por favor! ... Alguém pode imaginar um sucesso mais retumbante do que o obtido por uma instituição que se esforça por ter como refens do débito milhões de famílias às quais não quer de modo algum restituir o dinheiro emprestado?Sim, porque a única maneira até hoje conhecida para extinguir uma dívida é fazer render o dinheiro que se pediu emprestado, certo?E a quem pediremos mais dinheiro para podermo-nos endividar ainda mais na tentativa de saldar o primeiro débito, se não aos bancos?Eis então como o sistema funcionou tão bem que até mesmo os seus engenheiros, teóricos do capitalismo, especuladores e banqueiros não esperavam tal resultado ... e as hesitações que se seguiram ao crash, são simplesmente o equivalente à perda momentânea que mostram as estrelas do cinema quando são chamadas ao palco do Hollywood Bowl, porque acabaram de ganhar um Oscar. "Eu realmente? É verdade? ohhh!".Está tudo aqui, realmente, e o Estado que continua a injectar liquidez nos cofres dos bancos não pode - simplesmente não pode – pôr-se de lado e realmente contestar a validade de um modelo que propugnou de cooperação com o outro grande actor das democracias modernas, o mercado.O mercado e o Estado são um pouco como o Bucha e o Estica, na visão Baumaniana. Podem até zangar-se, resmungar entre si (no psicodrama, o Estado faz sempre, é claro, o papel de pai severo, mas basicamente compreensivo, para não dizer orgulhoso – evidentemente pela calada – das maracutaias combinadas pelo filho), mas depois, finalmente, abraçam-se e voltam a ser amigos como sempre.É um exemplo do fim que fez o Estado-providência, como resultado do deslocamento do eixo de uma sociedade industrial para uma sociedade de consumo.Quando a matéria-prima para a manutenção e a autoperpetuação do capital não é mais o trabalho, mas torna-se o consumo, que sentido tem ocupar-se com a saúde dos trabalhadores que persistem em não querer consumir tudo o que poderiam?Que não pareça irreverente o tom desinvolto como se fala de coisas tão importantes, porque entre as figuras mais autênticas da dialética de Bauman está mesmo uma ironia aguda, muito afiada, que tem a vantagem de trazer, com os pés bem assentes naterra, um debate crucial, importante demais para continuar a ser um assunto de especulação só para analistas e estudiosos.Com a mesma, esplêndia e desiludida força de expressão, o sociólogo também aborda outros temas que estão intimamente relacionados com a crise financeira: o estado das democracias, o estado-providência, as biotecnologias e o seu impacto sobre a estabilidade da pobreza e da riqueza; e ainda: os fundamentalismos e a modernidade - sempre com muitas referências à sociedade líquida de que Bauman é o máximo teórico - e chegar no último capítulo a fazer considerações óbvias inevitáveis sobre o amor e o poder criativo que tal “acto de abandono" comporta também a um nível social, apesar do desejo de controle que parece informar e permear todos os aspectos da nossa vida como cidadãos do século XXI.

Autoria e outros dados (tags, etc)

Tags:

publicado às 20:31


O espectro dos bárbaros

por Thynus, em 21.07.11

Um pequeno ensaio do grande sociólogo, exorta-nos a repensar a nossa relação com o "bárbaro", o estranho, hoje enquadrado como inferior e incivilizado.Existem terminologias que constantemente voltam ao longo da história, e muitas vezes assumem o seu significado de um modo mecânico, sem considerar as suas transformações ao longo dos anos, em relação à mudança social, política e, acima de tudo ao imaginário.Pensemos numa palavra como "Bárbaro" e "barbárie": hoje parece óbvio que se trata de tom pejorativo e acusatório, uma espécie de afirmação de superioridade em relação a uma alteridade, que talvez até veio violar o meu território, usurpando o meu domínio. Esta obviedade é realmente uma conquista da modernidade, que foi adquirida com a aquisição pela mentalidade européia de ser superior à civilização vinda do leste, que levaria a enquadrar o perfil do bárbaro como uma justificativa para a violência feita contra ele.Zygmunt Bauman é um dos maiores sociólogos contemporâneos, conhecido pela sua teorização do conceito de "liquidez" e "modernidade líquida", hoje um dos mais respeitados e ouvidos referentes intelectuais; neste pequeno livro, “O espectro dos bárbaros. Agora e então”, Bauman traça a história do conceito de "Bárbaro", destacando as voltas semânticas que levaram a alguns dos piores problemas de que a humanidade é hoje vítima, do racismo aos conflitos entre civilizações.Na verdade, diz Bauman, "Os povos chamados "bárbaros" não eram necessariamente piores, inferiores ou "menos humanos” daqueles que os definiam assim. Eram apenas diferentes. Eram não-gregos. Não como "nós", “os helenos"; na realidade é o mesmo Bauman que nos mostra como um elemento de tensão estava presente desde o início da história no confronto entre culturas: "Nós, os gregos, e eles, os bárbaros, não nos podíamos comunicar, não estávamos especialmente animados para falar com eles.""A noção de "bárbaro" indicava a paragem num estádio anterior ao progresso histórico que acreditava-se que levaria a uma sociedade ordenada, segura, civil e limpa: preso num estádio de desenvolvimento de que as nações européias avançadas já tinham saído há muito para nunca mais voltar".Daí a funcionalidade prática desta perspectiva: "O conceito de "barbárie" durante a modernidade foi usado como uma ferramenta e justificação para a conquista do mundo. Forneceu a folha de figueira para esconder as atrocidades horríveis e vergonhosas do imperialismo e do colonialismo".É, diz Bauman, "uma inversão da responsabilidade", através da qual a responsabilidade das perseguições e assassinatos é, ainda hoje, atribuída não aos seus responsáveis, mas às vítimas.

Um pequeno texto embora breve, mas carregado de incentivos, denso de considerações relevantes para questionar a nossa suposta superioridade, para resolver e superar as idéias perigosas ainda enraizadas no nosso imaginário colectivo, que nos convencem da nossa superioridade sobre os "bárbaros" de plantão.

Autoria e outros dados (tags, etc)

Tags:

publicado às 20:31


Modus vivendi

por Thynus, em 21.07.11

O texto com apenas 131 páginas, dividido em 5 capítulos e a introdução, é de 2006. Escrito pelo autorizado sociólogo polaco, observador lúcido da sociedade contemporânea e autor de muitos livros importantes, tornou-se rapidamenteuma chave de leitura reconhecida pela solidão do cidadão global: “se queremos compreender o mundo em que vivemos e não errar os movimentos, interpretando-o com as categorias que utilizamos no passado e que hoje não servem mais, é oportuno ler Modus vivendi de Zigmunt Baumn. O livro é belíssimo. A condição humana, pintada como um inferno, implora uma utopia que a possa resgatar” (Umberto Galimbertti); “com um livro fulgurante, Zigmunt Baumn confirma-se lucidíssmo nas suas análises sobre o tipo de mundo no qual nos tocou a viver” (Corrado Augias).
Para o autor as características fundamentais da sociedade contemporânea vistas com a óptica da centralidade no homem são:
- a liquidez, ou seja a volatilidade e a incerteza que qualificam todos os aspectos da vida também devida à ausência de fortes medidas de proteção e de tutela das pessoas por parte do estado,
- a separação entre poder e política porque o primeiro exercita-se a nível global e o estado perdeu poder e controle, a política é local e o mercado é global,
- A crescente dificuldade em fazer projetos de longo prazo, enquanto restam apenas segmentos de projecto a breve prazo que são difíceis de combinar numa sequência ordenada ao melhoramento.
“Não restaram muitos terrenos sólidos sobre os quais as pessoas possam construir as suas esperanças de salvação; não podemos mais esperar seriamente de fazer do mundo um lugar melhor para viver; não podemos sequer tornar verdadeiramente seguro aquele lugar melhor no mundo que, talvez, tenhamos conseguido reservar para nós mesmos. A insegurança existe e permanecerá, aconteça o que acontecer”, mas é possível tornar a incerteza menos terrível e isto só o podem fazer os habitantes do mundo líquido.
Zygmunt Bauman rouba a nossa atenção e enfrenta o medo mais inconfessável: que futuro nos espera?

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 20:30


Medo líquido

por Thynus, em 21.07.11

Quais são os medos do nosso tempo? O que significa ter medo hoje? Onde é que nasce o clima de inquietação, ânsia e insegurança que muitas vezes permeia os nossos dias? No seu novo livro, Zygmunt Bauman, um dos pensadores mais famosos e influentes contemporâneos, convida-nos a discorrer sobre o que nos une. Quem pode dizer que nunca teve medo?"O medo é um sentimento familiar a todos os seres vivos", escreve o autor, criador do conceito de "modernidade líquida" exposto em muitos dos seus livros, incluindo Modernidade Líquida, Amor líquido Líquido e Vida. Penetrando na sua análise enfatiza, acima de tudo, como nos seres humanos, ao contrário dos animais, este sentimento é particularmente vincolante, de facto, "direcciona o comportamento do ser humano depois de mudar a sua percepção do mundo e as expectativas que o guiam nas suas escolhas." Em resumo, nos seres humanos há uma particular sensibilidade para o perigo, que os afecta na sua visão de vida e que cria um estado de medo rastejante, suspenso no ar, presente mesmo na ausência de uma ameaça real e, portanto, mais insidioso.Nos nossos tempos, pobres de certezas e garantias, as oportunidades para ter medo não faltam. De acordo com a análise de Bauman, os perigos que se temem podem ser de três tipos:
- aqueles que ameaçam o corpo e os bens;
- os de carácter geral, relativos à estabilidade e à confiabilidade da ordem social;
- e aqueles que ameaçam a
própria colocação no mundo e a própria identidade, expondo-nos à possibilidade de ser humilhados e excluídos da sociedade. Por outro lado, e isto é o que mais preocupa, o medo é caracterizado pela ubiquidade, "pode
vir de qualquer canto ou fenda da nossa casa ou do nosso planeta": da rua, das pessoas que conhecemos ou de estranhos, da natureza,de outros povos."O medo mais temível é o medo generalizado, indistinto, livre, não ancorado, flutuante, sem um endereço ou uma causa claros; o medo que nos persegue sem uma razão, a ameaça que devemos temer e que vislumbramos por toda parte, mas nunca se mostra claramente. 'Medo' é o nome que damos à nossa incerteza, à nossa ignorância da ameaça, ou daquilo que é preciso fazer."Acreditávamos que na modernidade poderíamos deixar para trás os medos que tinham permeado a vida no passado; acreditávamos que seríamos capazes de assumir o controle das nossas vidas. "Nós, homens e mulheres que habitamos na parte ‘desenvolvida’ do mundo (a mais rica, a mais modernizada), somos ‘objetivamente’ as pessoas mais seguras na história da humanidade." Somo-lo contra as forças da natureza, contra a fraqueza congênita do nosso corpo ,contra as agressões externas. E mesmo assim, nós que gozamos de segurança e conforto sem precedentes, vivemos num estado de alerta constante. Este novo livro de Zygmunt Bauman é um inventário dos nossos medos. É a tentativa de descobrir as suas origens comuns, de estudar as formas para neutraliza-lo e abrir nossos olhos sobre a tarefa que temos de enfrentar, se queremos que amanhã os nossos semelhantes ressurjam mais fortes e mais seguros de quanto nós jamais fomos.
Residente em Londres e professor emérito de sociologia das Universidades de Leeds e de Varsóvia, Bauman tem publicados no Brasil 13 Livros - Entre eles, Amor Líquido e Globalização: As Conseqüências Humanas.
Um dos sociólogos mais importantes da atualidade. Grande colecionador de idéias que vagam no ar, aprofundou o conceito de uma sociedade "líquida", partindo do príncipe de que as certezas e previsibilidades do futuro estão diluídas e politicos e empresas querem lucrar com isso, não se vislumbrando como esse clima de insegurança possa acabar. “Pelo contrário, os governos e os mercados têm interesse em manter esses medos intactos e, se possível, aumentá-los.”

Autoria e outros dados (tags, etc)

Tags:

publicado às 20:29


Consumo, logo existo!

por Thynus, em 21.07.11

Ler Bauman é sempre uma experiência desafiadora. O seu dom mais precioso é ser capaz de penetrar profundamente no mundo social, que aparece na sua natureza mais óbvia, para fazer-nos ver significados difíceis de entender porque tão quotidianos e tão óbvios.Na sociedade de consumo da modernidade líquida, não há líderes nem hierarquias, pois o consumo é uma atividade solitária, mesmo quando ocorre em conjunto.A sociedade dos consumidores aspira à satisfação dos desejos de consumo mais do que qualquer outra sociedade do passado, mas, paradoxalmente, tal gratificação deve continuar a ser uma promessa e as necessidades não devem ter fim, porque a satisfação plena resultaria numa estagnação econômica.O contraaltar do “homo consumens” é o “homo sacer”, o pobre que, por falta de recursos, foi expulso do jogo como consumidor deficiente ou "avariado". A miséria dos excluídos não é mais considerada uma injustiça a ser corrigida, mas o resultado de um pecado individual: assim, as prisões substituem-se às instituições de assistência social.A contribuição que Bauman nos oferece, com as suas análises críticas, é repropôr a questão da acção moral: um acto intrinsecamente livre e, portanto, sempre em risco de falhar, mas que também é uma característica original do ser humano, na base do seu ser social e, finalmente, da sua sobrevivência como espécie.Outrora - na fase sólida da modernidade - a "sociedade dos produtores", época de massas, regras vinculativas e poderes políticos fotes. Os valores que a regiam eram segurança, estabilidade, durabilidade. Esse mundo desmoronou-se e agora vivemos na "sociedade de consumo", cujo valor supremo é o direito-obrigação da "busca da felicidade", uma felicidade instantânea e perpétua que não deriva tanto da satisfação dos desejos quanto da sua quantidade e intensidade . No entanto, diz Bauman, em comparação com os nossos antepassados, não somos mais felizes: quando muito, mais alienados, isolados, muitas vezes perseguidos, drenados por vidas agitadas e vazias, forçados a participar numa competição grotesca para a visibilidade e o status, numa sociedade que vive para o consumo e transforma tudo em mercadoria. Mas tudo, até os próprios consumidores. Não obstante estamos no jogo e nãos nos rebelamos, nem sentimos qualquer impulso para fazê-lo.
Para o filósfo Decartes a máxima era “cogito, ergo sum!” (“penso, logo existo”. Na sociedade dos consumidores a máxima é “Consumo, logo existo!”. Falsa ilusão.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 20:28

Pág. 1/7



Mais sobre mim

foto do autor


Pesquisar

Pesquisar no Blog

Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2016
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2015
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2014
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2013
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2012
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2011
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2010
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2009
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2008
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2007
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D

subscrever feeds