Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]




O DINHEIRO QUE NÃO É NOSSO

por Thynus, em 05.12.10
Nas igrejas pede-se frequentemente dinheiro para os necessitados, mas dificilmente se expõe hoje a alguém a doutrina cristã que sobre o dinheiro pregaram com força teólogos e pregadores como S.to Ambrósio de Tréveris, S.to Agostinho de Hipona ou S. Bernardo de Claraval. De facto, uma pergunta aparece constantemente nos seus lábios. Se todos somos irmãos e a terra é uma oferta de Deus a toda a humanidade, com que direito se pode continuar a açambarcar o que não necessitamos, se com isso estamos a privar outros do que necessitam para viver? Não seria mais correcto afirmar que o que lhe sobra ao rico pertence ao pobre? Não podemos esquecer que possuir algo sempre significa excluir daquilo os outros. Com a «propriedade privada» estamos sempre "a privar" os outros daquilo que nós desfrutamos. Por isso, quando damos algo nosso aos pobres, talvez estejamos na realidade, a restituir o que não nos corresponde totalmente. Escutemos estas palavras de S.to Ambrósio: "Não dás ao pobre o que é teu, mas devolves-lhe o que é seu. Pois o que é comum é de todos, não apenas dos ricos... Pagas, portanto, uma dívida; não dás gratuitamente o que não deves». Naturalmente, tudo isto pode parecer idealismo ingénuo e inútil. As leis protegem de maneira inflexível a propriedade privada dos grandes potentados mesmo que dentro da sociedade haja pobres que vivem na miséria. São Bernardo reagia assim no seu tempo: «Citam-se continuamente leis nos nossos palácios; mas são leis de Justiniano, não do Senhor». A este propósito, permitam-me que faça aqui um pequenino parêntesis: Se São Bernardo dizia isso no seu tempo, o que não diria hoje da nossa Assembleia da República ou dos nossos Tribunais, quando as leis são manipuladas segundo a oportunidade do momento? Quando a Assembleia da República é dessacralizada pelos próprios deputados eleitos pelo povo? De facto parece que vivemos num País onde há uma lei para os poderosos (os políticos, os magistrados) e outra lei bem diferente para o comum dos cidadãos. Não nos venham pois contar que a Justiça é cega, porque o povo já não vai em histórias. E estando as coisas assim, quando uns são tratados como filhos e outros como enteados, temos que interrogar-nos seriamente sobre o Estado de direito da Nação. De facto, é preciso que nunca nos esqueçamos que a maior conquista da democracia é o "Estado de Direito", onde os direitos e os deveres são iguais para todos, onde há igualdade de oportunidades: no acesso à justiça, no acesso ao trabalho, no acesso à educação, no acesso à saúde... no acesso a tudo aquilo que diz respeito à dignidade e ao bem-estar dos cidadãos. Não nos admiramos, portanto, que Jesus, ao encontrar-se com um homem rico que cumpriu desde criança todos os mandamentos, lhe diga que ainda lhe falta uma coisa para ser perfeito, para alcançar a vida eterna, para poder segui-Lo: deixar de açambarcar e começar a partilhar, o que tem e o que é, com os necessitados. O rico afastou-se de Jesus cheio de tristeza. O dinheiro empobreceu-o, tirou-lhe a liberdade e a generosidade. O dinheiro impede-o de escutar o chamamento de Deus a uma vida mais plena e mais humana. «Como é difícil aos ricos entrar no Reino de Deus». Não é uma sorte ter dinheiro mas um verdadeiro problema. Pois o dinheiro fecha-nos a passagem e impede-nos de seguir o caminho verdadeiro para a vida eterna. Quando falamos em vida eterna, não estamos a falar, apenas, na vida que nos espera no céu; mas estamos a falar de uma vida plena de qualidade, de uma vida que leva o homem à sua plena realização, de uma vida de paz e de felicidade. A vida tem sentido não por aquilo que temos, mas por aquilo que somos. E quem somos? Independentemente da nossa raça, condição social ou grau de cultura, somos obra de Deus. Perder o sentido de nossa dignidade significa construir uma vida vazia.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 18:23


Comentar:

Comentar via SAPO Blogs

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.



Mais sobre mim

foto do autor


Pesquisar

Pesquisar no Blog

Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2016
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2015
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2014
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2013
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2012
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2011
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2010
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2009
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2008
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2007
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D

subscrever feeds