Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]




O DINHEIRO QUE NÃO É NOSSO

por Thynus, em 05.12.10
Nas igrejas pede-se frequentemente dinheiro para os necessitados, mas dificilmente se expõe hoje a alguém a doutrina cristã que sobre o dinheiro pregaram com força teólogos e pregadores como S.to Ambrósio de Tréveris, S.to Agostinho de Hipona ou S. Bernardo de Claraval. De facto, uma pergunta aparece constantemente nos seus lábios. Se todos somos irmãos e a terra é uma oferta de Deus a toda a humanidade, com que direito se pode continuar a açambarcar o que não necessitamos, se com isso estamos a privar outros do que necessitam para viver? Não seria mais correcto afirmar que o que lhe sobra ao rico pertence ao pobre? Não podemos esquecer que possuir algo sempre significa excluir daquilo os outros. Com a «propriedade privada» estamos sempre "a privar" os outros daquilo que nós desfrutamos. Por isso, quando damos algo nosso aos pobres, talvez estejamos na realidade, a restituir o que não nos corresponde totalmente. Escutemos estas palavras de S.to Ambrósio: "Não dás ao pobre o que é teu, mas devolves-lhe o que é seu. Pois o que é comum é de todos, não apenas dos ricos... Pagas, portanto, uma dívida; não dás gratuitamente o que não deves». Naturalmente, tudo isto pode parecer idealismo ingénuo e inútil. As leis protegem de maneira inflexível a propriedade privada dos grandes potentados mesmo que dentro da sociedade haja pobres que vivem na miséria. São Bernardo reagia assim no seu tempo: «Citam-se continuamente leis nos nossos palácios; mas são leis de Justiniano, não do Senhor». A este propósito, permitam-me que faça aqui um pequenino parêntesis: Se São Bernardo dizia isso no seu tempo, o que não diria hoje da nossa Assembleia da República ou dos nossos Tribunais, quando as leis são manipuladas segundo a oportunidade do momento? Quando a Assembleia da República é dessacralizada pelos próprios deputados eleitos pelo povo? De facto parece que vivemos num País onde há uma lei para os poderosos (os políticos, os magistrados) e outra lei bem diferente para o comum dos cidadãos. Não nos venham pois contar que a Justiça é cega, porque o povo já não vai em histórias. E estando as coisas assim, quando uns são tratados como filhos e outros como enteados, temos que interrogar-nos seriamente sobre o Estado de direito da Nação. De facto, é preciso que nunca nos esqueçamos que a maior conquista da democracia é o "Estado de Direito", onde os direitos e os deveres são iguais para todos, onde há igualdade de oportunidades: no acesso à justiça, no acesso ao trabalho, no acesso à educação, no acesso à saúde... no acesso a tudo aquilo que diz respeito à dignidade e ao bem-estar dos cidadãos. Não nos admiramos, portanto, que Jesus, ao encontrar-se com um homem rico que cumpriu desde criança todos os mandamentos, lhe diga que ainda lhe falta uma coisa para ser perfeito, para alcançar a vida eterna, para poder segui-Lo: deixar de açambarcar e começar a partilhar, o que tem e o que é, com os necessitados. O rico afastou-se de Jesus cheio de tristeza. O dinheiro empobreceu-o, tirou-lhe a liberdade e a generosidade. O dinheiro impede-o de escutar o chamamento de Deus a uma vida mais plena e mais humana. «Como é difícil aos ricos entrar no Reino de Deus». Não é uma sorte ter dinheiro mas um verdadeiro problema. Pois o dinheiro fecha-nos a passagem e impede-nos de seguir o caminho verdadeiro para a vida eterna. Quando falamos em vida eterna, não estamos a falar, apenas, na vida que nos espera no céu; mas estamos a falar de uma vida plena de qualidade, de uma vida que leva o homem à sua plena realização, de uma vida de paz e de felicidade. A vida tem sentido não por aquilo que temos, mas por aquilo que somos. E quem somos? Independentemente da nossa raça, condição social ou grau de cultura, somos obra de Deus. Perder o sentido de nossa dignidade significa construir uma vida vazia.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 18:23



Mais sobre mim

foto do autor


Pesquisar

Pesquisar no Blog

Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2016
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2015
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2014
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2013
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2012
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2011
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2010
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2009
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2008
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2007
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D