Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]



 

A sexualidade e o prazer sempre esteve muito próximo da Igreja, assim como uma extensa gama de implicações das duas realidades íntimas do elemento humano. São poucos os que duvidam de que a sexualidade na Igreja não tem credibilidade e que haja conflito a respeito. A sexualidade é uma espécie de patologia do cristianismo e da Igreja, para tanto basta mencionar o celibato (solteirismo) obrigatório dos presbíteros (que refuta a tradição e o princípio da autoridade, os jejuns, o Purgatório, os votos monásticos. Lutéro em rebeldia sacrílega destruia todas as crenças que constituía a alma da Idade Média), a valorização moral dos métodos de controle da natalidade e o trato pastoral aos divorciados que voltaram a se casar e seus filhos, o casamento de homossexuais, etc., a influência do estoicismo que só aceita o prazer sexual quando orientado para a procriação, o dualismo platônico, entendendo que o corpo é o cárcere da alma, o néo-platonismo com verdadeiras aberrações, além de assuntos não inerentes ao cotidiano religioso e que foram preocupações de Agostinho, Clemente de Alexandria, Tomás de Aquino e outros, além do ascetismo e a castidade como meios privilegiados para alcançar a vida pura e mais apta à contemplação.

Anedoticamente podemos contar o que se passava com uma personagem de Gabriel Garcia Márquez, que devia abster-se de toda relação sexual no domingo para comemorar a ressurreição de Cristo; segunda-feira, por ser consagrada aos mortos; quinta-feira por comemorar a paixão de Jesus; sexta-feira, por comemorar sua morte e o sábado, para honrar a Virgem. Terças e quarta-feiras ganhava o consentimento para a prática sexual. Parecia haver aí o dedo de Wilhelm Reich, que pretendia chegar à total superação de toda repressão sexual para encontrar desse modo o chamado “homem natural”.
A discussão sobre o celibato dos padres é deveras curioso. Não se pode  esquecer o romance entre a freira Lucrezia Buti e o pintor renascentista Fra Filippo Lippi (1406-1469). Em 1421, depois de fazer seus votos de monge carmelita no monastério de Santa Maria del Carmine, em Florença, Lippi descobriu sua vocação para a pintura e isto após interessar-se pelos afrescos de Masaccio (1401-1428) da capela local. Financiado pela família Médici, o artista executou trabalhos para conventos e igrejas. Em 1456, enquanto pintava no convento de Santa Margherita, em Prato, apaixonou-se pela freira Lucrezia. Esta posou  para um quadro do pintor como uma Madonna (em italiano: minha senhora!). O relacionamento escandaloso de ambos não foi oficializado até 1461, quando o papa Eugene, amigo de Lippi, o liberou de seus votos. O casal teve dois filhos, Alessandra e Filippino (1457-1504) que tornou-se pintor como o pai.
Na Igreja brasileira constam inumeros casamentos de religiosos. Este assunto mexe nos dias de hoje com a Igreja. No episódio em que Eva, a primeira mulher, desobedece a Deus e morde a fruta da árvore proibida, há metaforicamente uma reflexão sobre as conseqüências das escolhas que as pessoas fazem pela vida afora.

(Albertino Aor da Cunha – “A Mentira Nua e Crua”)

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 20:32


Comentar:

Comentar via SAPO Blogs

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.



Mais sobre mim

foto do autor


Pesquisar

Pesquisar no Blog

Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2016
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2015
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2014
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2013
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2012
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2011
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2010
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2009
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2008
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2007
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D

subscrever feeds