Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]




A alucinação é o auto-engano intrapsíquico em estado puro: claro e cristalino, porém longe da vida prática e comum. Bem mais familiares que a alucinação, e, felizmente, fora dos anais da patologia médica, são alguns de seus populares vizinhos no repertório do auto-engano: o sonho propriamente dito e o sonhar acordado. Se os animais sonham como s
onhamos é uma questão discutível; mas a universalidade do sonho entre os homens, não importando época, etnia ou cultura, dificilmente poderia ser contestada.

Nossa experiência subjetiva da vida é bifurcada. Ao dormir cada homem se retira do mundo em que vive e circula, e se recolhe a um universo todo seu. Ao acordar, porém, ele às vezes se dá conta de que sonhou — ele se recorda com maior ou menor vividez de experiências perceptivas, emocionais, reflexivas e narrativas que teria vivenciado no recesso da mente enquanto dormia. Tempo, espaço e lógica comum adormecem: os mortos visitam os vivos; um crucifixo arde no inferno; o imperador Marco Aurélio lê uma prescrição médica; um míssil nuclear ejacula; Pele menino sorri; amantes se chupam como raízes; Descartes vislumbra geometrias. Enquanto está sendo sonhado, o grau de realidade subjetiva de um sonho é absoluto. O sonhar que se está apenas sonhando é um sonho tão real quanto o sonhar que é realidade, não sonho. "Quando sonhamos que sonhamos", observa o poeta e pensador alemão Novalis, "estamos próximos do despertar."
Se o teor dos sonhos de cada um obedece ou não a algum princípio geral explicativo, não importa aqui. O que é relevante acerca do sonho sob a ótica do auto-engano é que se trata de algo vivido intensamente como real e genuíno enquanto sonhamos, mas que depois se revela apenas sonho quando despertamos. A mente de quem sonha embarca e mergulha inteiramente na verdade subjetiva da ficção que ela mesma fábula.
Um sonho não é algo que possa ser feito ou fabricado pelo indivíduo para consumo interno; ele é um fluxo imaginário que "passa" por sua mente, ou seja, algo que ele "recebe" e vivência como ocorrência involuntária, embora seja no fundo o fruto selvagem do trabalho subterrâneo de sua própria mente adormecida. Ao mergulhar no sono, em suma, nós jamais podemos escolher se vamos ou não sonhar daquela vez; qual será o conteúdo particular do sonho e qual o grau de intensidade emocional com que ele será vivido. Esse pequeno mundo que seria todo nosso revela-se, dessa forma, um universo estranhamente alheio — um mundo subjetivo que pode ser delicioso, indiferente, terrível ou todas essas coisas, mas que é inteiramente fechado à nossa vontade e escolha conscientes.
O sonhar acordado pertence ao lado desperto da vida. Como o sonhar propriamente dito, ele consiste na criação de uma realidade subjetiva; na atribuição de uma veracidade mais ou menos fungível às maquinações e confabulações de nossa própria imaginação. A capacidade da mente humana de processar simultaneamente diversas experiências e de manter várias bolas no ar ao mesmo tempo parece ser fundamental aqui.
A visão do impossível não precisa mais que de um trecho de melodia ou de um momento solto nas dobras do tempo: alguém revive um fragmento de sonho ao descer sozinho pelo elevador bem cedo; outro conversa com o ídolo ao dirigir o carro ouvindo rádio; a aluna toma sol na praia com o ex-namorado enquanto anota uma aula de cálculo; um negociante fecha contratos na igreja; o mendigo ganha na loteria e é recebido pelo papa; sob o sol do meio-dia absorto a dúvida assalta o pedestre ("E se tudo é um sonho que alguém de outro mundo está sonhando?"). "Os sonhos do acordado", relata o narrador de Dom Casmurro, "são como os outros sonhos, tecem-se pelo desenho das nossas inclinações e das nossas recordações [...] a imaginação foi a companheira de toda a minha existência, viva, rápida, inquieta, alguma vez tímida e amiga de empacar, as mais delas capaz de engolir campanhas e campanhas, correndo." Experiências desse tipo não têm a agudez alucinatória da síndrome de Bonnet ou a convicção absoluta do sonho noturno ao ser sonhado, mas a sua realidade e presença em nossa vida mental cotidiana é inquestionável.

(Eduardo Giannetti, in “Auto-engano”)

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

Tags:

publicado às 10:04


Comentar:

Comentar via SAPO Blogs

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.



Mais sobre mim

foto do autor


Pesquisar

Pesquisar no Blog

Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2016
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2015
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2014
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2013
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2012
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2011
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2010
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2009
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2008
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2007
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D

subscrever feeds