Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]




Igreja rendida ao deus marketing?

por Thynus, em 05.12.10
Como poderia a Igreja recuperar o seu prestígio social e exercer de novo aquela influência que teve na nossa sociedade há apenas alguns anos? Sem o confessar, talvez, em voz alta, são muitos os que têm saudade daqueles tempos em que a Igreja podia anunciar a sua mensagem desde plataformas privilegiadas que contavam com o apoio do poder político. Não teremos de lutar por recuperar outra vez essas plataformas perdidas que nos permitam fazer «uma propaganda» religiosa e moral, eficaz, capaz de superar outras ideologias e correntes de opinião que se vão impondo entre nós? Não teremos de trabalhar mais na formação sólida dos cristãos para que, bem equipados na doutrina cristã, possam transmiti-la de maneira persuasiva e convincente, atraindo de novo as pessoas para a verdade? Não teremos que criar estruturas religiosas mais fortes, aperfeiçoar os organismos pastorais e fazer da Igreja uma «empresa mais competitiva e rentável»? Sem dúvida, no fundo desta inquietação há uma vontade sincera de levar o evangelho de Jesus Cristo aos homens e mulheres do nosso tempo, mas será esse o caminho a seguir? As palavras de Jesus, ao enviar os seus discípulos sem pão nem alforje, sem dinheiro nem túnica, insistem mais bem em «caminhar» pobremente, com liberdade, ligeireza e disponibilidade total. O importante não é um equipamento que nos dê segurança mas sim a força mesma do evangelho vivido com sinceridade, pois o evangelho penetra na sociedade não tanto através de meios eficazes de propaganda, quanto por meio de testemunhos que vivem fielmente o seguimento de Jesus Cristo. São necessários cristãos bem formados doutrinalmente, mas são necessários, muito mais, testemunhos vivos do evangelho. São necessárias na Igreja a organização e as estruturas, mas apenas para sustentar a vida evangélica dos crentes. Uma Igreja carregada de excessivo equipamento corre o risco de tornar-se sedentária e conservadora. A curto ou médio prazo, preocupar-se-á mais em abastecer-se a si mesma do que em caminhar livremente no evangelho. Uma Igreja mais desguarnecida, mais privada de privilégios e mais empobrecida de poder sócio-político-económico, é uma Igreja mais livre e mais capaz de oferecer o evangelho na sua verdadeira pureza. Ao fazer esta reflexão, não podemos deixar de pensar na maneira faustosa como vivem muitos Bispos e padres da Igreja. Não, não vamos falar do modo como enriqueceram tão depressa. Vamos apenas focar a atenção na falta de testemunho que vem de cima. Que dizer de um Papa rendido ao marketing? (cfr.:http://www.correiodamanha.pt/noticia.asp?id=199640&idCanal=21) Que pensar de um Papa preocupado em exibir a sua vaidade? (cfr.:http://www.terra.com.br/istoe/1894/internacional/1894_papa_fashion.htm) Que dizer de uma Igreja subserviente ao poder económico e vendedora de sacramentos? Será esta a liberdade pedida por Jesus aos seus seguidores ao ordenar-lhes que "nada levassem para o caminho, a não ser o bastão: nem pão, nem alforge, nem dinheiro; que fossem calçados com sandálias, e não levassem duas túnicas" ? Chocante, não é?! Termino com uma advertência muito séria de Santo Ambrósio: Não é digno de um imperador interditar a liberdade de palavra e não é digno de um sacerdote não dizer aquilo que pensa. Em vós, imperadores, não há nada que seja mais democrático e amável do que apreciar a liberdade, até mesmo naqueles que vos devem obediência militar. É esta, precisamente, a diferença entre os bons e os maus príncipes: os bons amam a liberdade, os maus a escravidão. Ao mesmo tempo, para um sacerdote não há nada mais perigoso perante Deus e indigno perante os homens do que não dizer livremente aquilo que pensa. Está escrito: "dava testemunho de ti na presença dos reis e não me envergonhava" (Sl 118, 46); e, noutro passo: "Filho do homem, coloquei-te como sentinela da casa de Israel porque, no caso do justo deixar o caminho da justiça e cometer um delito e tu nada lhe disseres, de nada lhe aproveitará a sua anterior justiça, mas eu pedirei contas a ti pela sua condenação... (cf. Ez 3, 17-19). http://www.terra.com.br/istoe/1894/internacional/1894_papa_fashion.htm

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 18:47


Comentar:

Comentar via SAPO Blogs

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.



Mais sobre mim

foto do autor


Pesquisar

Pesquisar no Blog

Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2016
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2015
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2014
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2013
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2012
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2011
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2010
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2009
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2008
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2007
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D

subscrever feeds