Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]



A ciência nunca poderá provar ou refutar a existência de Deus ou um de Poder Superior. Afinal não é este o elemento essencial da fé? Uma fé que não precisa de provas?
Mas talvez a prova sempre esteve nos nossos cérebros.
As nossas percepções, emoções e reações ao mundo que nos rodeia começam no nascimento e modelam as nossas atitudes e as nossas interações ao longo da nossa vida e, através delas, sabemos em quem confiar, o que esperar e como lidar com as coisas. A formação das crenças envolve diversas áreas do cérebro. Embora os mecanismos exatos não possam ser bem definidos, os cientistas sabem que o nascimento de crenças causa alterações fisiológicas no cérebro.
Com efeito, como vivemos a experiência da Fé se não através do nosso cérebro? O nosso cérebro processa todas as experiências que vivemos – sensoriais, somáticas, emocionais e metafísicas. O cérebro tem de processar e interpretar as nossas experiências com as nossas crenças, as nossas emoções e encontros anteriores, com a sua estrutura física e química.
Um aumento da atividade na parte anterior do cérebro foi observada em monges budistas tibetanos enquanto meditavam e em freiras enquanto rezavam. No entanto, foi visto nos monges e nas freiras, que esta parte do cérebro aumenta a sua atividade também durante as tarefas que requerem atenção. A questão interessante é saber se os seus cérebros foram alterados pela prática espiritual ou se são mais suscetíveis, desde o início, às forte experiências
[Error: Irreparable invalid markup ('<a [...] ;>') in entry. Owner must fix manually. Raw contents below.]

A ciência nunca poderá provar ou refutar a existência de Deus ou um de Poder Superior. Afinal não é este o elemento essencial da fé? Uma fé que não precisa de provas? <br />Mas talvez a prova sempre esteve nos nossos cérebros.<br />As nossas percepções, emoções e reações ao mundo que nos rodeia começam no nascimento e modelam as nossas atitudes e as nossas interações ao longo da nossa vida e, através delas, sabemos em quem confiar, o que esperar e como lidar com as coisas. A formação das crenças envolve diversas áreas do cérebro. Embora os mecanismos exatos não possam ser bem definidos, os cientistas sabem que o nascimento de crenças causa alterações fisiológicas no cérebro.<br />Com efeito, como vivemos a experiência da Fé se não através do nosso cérebro? O nosso cérebro processa todas as experiências que vivemos – sensoriais, somáticas, emocionais e metafísicas. O cérebro tem de processar e interpretar as nossas experiências com as nossas crenças, as nossas emoções e encontros anteriores, com a sua estrutura física e química.<br />Um aumento da atividade na parte anterior do cérebro foi observada em monges budistas tibetanos enquanto meditavam e em freiras enquanto rezavam. No entanto, foi visto nos monges e nas freiras, que esta parte do cérebro aumenta a sua atividade também durante as tarefas que requerem atenção. A questão interessante é saber se os seus cérebros foram alterados pela prática espiritual ou se são mais suscetíveis, desde o início, às forte experiências <a ;="" bitly="BITLY_PROCESSED" class="tags" href="http://pt.shvoong.com/tags/religiosas/" onclick="javascript:counttag('Religiosas', 1, 1999419)"><span>religiosas</span></a>.<br />É sabido que os lóbulos temporais estão envolvidos nas experiências religiosas e espirituais: a amígdala e o hipocampo estão envolvidos nas visões místicas e nas emoções religiosas. Isto traz à mente uma possível ligação entre os transtornos mentais e as experiências sobrenaturais. Por exemplo, alguns pacientes durante as crises, especialmente nos casos de epilepsia do lobo temporal, dizem que tiveram premonições e visões religiosas pouco antes ou logo após a crise. Estas descobertas científicas mostram que há um mecanismo neural subjacente as experiências religiosas?<br />O cérebro parece predisposto a acreditar em todas as coisas espirituais. Os cientistas foram capazes de induzir, em alguns voluntários, experiências e sensações religiosas através da aplicação de um campo magnético sobre os lobos temporais e através da administração de alucinógenos.<br />Além de mais a religião é uma característica hereditária. Os estudos sobre gêmeos indicam que a intensidade religiosa está, pelo menos em parte, ligada à genética. Podemos experimentar os mesmos sentimentos seja por práticas religiosas seja por parte das drogas? O nosso cérebro está inclinado para a religião qualquer que seja a experiência ou o background de uma pessoa?<br />As crenças, as experiências e as práticas religiosas e o papel que desempenham nas nossas vidas não são facilmente definidas. Ao longo da história humana, temos tentado definições, a estrutura, a clareza e a paz. E encontramos tudo isso na religião. É, portanto, a religião apenas um subproduto da evolução que nos permite lidar com os problemas da vida ou o nosso cérebro foi criado por uma Entidade Superior para fazer-nos apreciar as coisas do mundo em toda a sua beleza espiritual?<br />Nunca me aconteceu de escrever tantas perguntas, mas neste caso também não estou tão convencido de querer saber todas as respostas ...

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 20:45



Mais sobre mim

foto do autor


Pesquisar

Pesquisar no Blog

Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2016
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2015
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2014
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2013
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2012
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2011
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2010
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2009
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2008
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2007
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D