Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]



Amor é fogo que arde sem se ver,
é ferida que dói, e não se sente;
é um contentamento descontente,
é dor que desatina sem doer.

É um não querer mais que bem querer;
é um andar solitário entre a gente;
é nunca contentar-se de contente;
é um cuidar que ganha em se perder.

É querer estar preso por vontade;
é servir a quem vence, o vencedor;
é ter com quem nos mata, lealdade.

Mas como causar pode seu favor
nos corações humanos amizade,
se tão contrário a si é o mesmo Amor?

(Luís Vaz de Camões)

Somos seres que crescemos e nos desenvolvemos investindo nossa libido no mundo que nos cerca. Libido é nossa energia amorosa. Para permitir que flua temos que poder interagir com o que nos cerca com um mínimo de inibições e entraves. Essa interação mantém a tensão psíquica sob controle há uma descarga adequada ao bom funcionamento mental.
É nossa libido que se dirige a nossos pais e forma um elo amoroso que nos mantém interessados nesse contato e faz com que procuremos interagir e fazer crescer essa ligação.
Libido é um termo popularmente associado apenas à sexualidade, no entanto é mais abrangente e constitui toda experiência de prazer e a base de todas as nossas construções. Usamos a libido para nos relacionar com pessoas, com o trabalho e com tudo o que está ao nosso redor.
Sendo a libido a força que nos liga mais fortemente à vida, podemos compreender sua importância. Quando investimos essa energia em alguém, ele se torna emocionalmente significativo para nós. Assim também uma circunstância ou algo que amamos, porque representam oportunidades de gratificação. Podemos então entender que uma perda de qualquer uma dessas relações nas quais depositamos nossa energia amorosa, desperte um estado de mal estar. Ele poderá vir a ser superado, após um período de luto, se conseguirmos recuperar esse capital afetivo e investí-lo em outras pessoas ou circunstâncias, estabelecendo novamente uma ligação que nos proporcione a sensação de bem estar em substituição a que perdemos.
Pode ocorrer, contudo que não consigamos recuperar esse capital e que a energia de que tanto necessitamos para viver, fique retida nessa situação de luto sem que ela chegue a ser superada. Tal é o caso de perdas muito significativas ou repetidas em situações em que somos ainda muito frágeis para administrar tais prejuízos e incapazes de realizar o processo de substituição de uma ligação amorosa por outra, como na infância.
As conseqüências desse desarranjo precoce de nossas energias será uma menor disponibilidade delas para interação com o mundo. Além disso, perdas posteriores tenderão a despertar o mesmo estado de luto e angústia verificado nessas primeiras experiências. Teremos então uma predisposição emocional às reações depressivas.

(Manoelita Dias dos Santos - "A LÓGICA DA EMOÇÃO, da psicanálise à física quântica")

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 11:39



Mais sobre mim

foto do autor


Pesquisar

Pesquisar no Blog

Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2016
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2015
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2014
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2013
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2012
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2011
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2010
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2009
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2008
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2007
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D