Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]




Amor líquido

por Thynus, em 21.07.11

A precariedade caracteriza a sociedade moderna em todos os seus aspectos, incluindo o amor e as relações humanas em geral. Com o conceito de liquidez, como contrário de solidez, Zygmunt Bauman define o contexto de incerteza e de constante decaimento em que vivemos.
"A solidão cria insegurança, mas também torna o relacionamento sentimental. Numa relação, podes sentir-te inseguro como estarias sem ela, ou pior. Mudam apenas os nomes que dás à tua ansiedade." Os personagens deste livro são os homens e mulheres nossos contemporâneos, e que anseiam pela segurança da agregação e de uma mão com que poder contar em momentos de necessidade. No entanto, são os mesmos que têm
medo de ficar ancorados em relações estáveis e temem que uma estreita ligaçãocomporte encargos que não querem nem pensam que podem suportar.
A liquidez nas relações humanas tem um sentido inverso da liquidez da conta bancária: se eu tenho no banco uma conta bem recheada, disponho de uma boa liquidez, um atributo potencializador do meu crédito. Para Bauman a liquidez das relações humanas é uma sensação de bolsos vazios, o vazio das relações sociais.
Uma das característicvas mais impressionantes da atual fase da modernidade é que não há nada sólido. A liquidez, entendida como processo contínuo de decomposição, parece ser o ícone móvel do mundo globalizado. Zygmunt Bauman, um dos maiores sociólogos vivos, cunhou a metáfora da liquidez num famoso livro há alguns anos, “Modernidade Líquida”; e agora está nas livrarias “Amor líquido”, que é uma espécie de continuação e desenvolvimento do discurso sobre a sociedade líquido-moderna. Este ensaio aborda a questão da precariedade da existência e a desintegração dos laços entre os indivíduos, mas também muitas outras questões. Bauman diz-nos que estamos vivendo uma nova fase da modernidade dedicada ao princípio da sobrevivência, que afasta a confiança, a compaixão, a piedade, e prelúdio para um abismo de perdas e vertigens, onde homens e mulheres encontram-se divididos entre o vazio exterior e o vazio interior. Não há "gaiola de ferro" que reja; a modernidade líquida é pervasiva, viscosa, penetrante e desintegra tudo o que toca. Corrói a solidariedade humana, “a primeira vítima dos triunfos do mercado consumidor." E é o consumismo, isto é, o ritmo da sucessão de compras, que transforma geneticamente o “homo faber” da fase sólida da modernidade no “homo consumans” da fase líquida; este último, desorientado por milhares milhares de cartazes na estrada e cooptado pelas mensagens que correm freneticamente no visor do telemóvel (celular), é "o único ponto estável no universo de objetos em movimento." O resultado deste processo é preocupante, pois intensifica a atomização social e gera novas formas de individualismo e de xenofobia, mas o fenômeno mais grave é a expropriação do agir em comum dobrado cada vez mais "sobre coisas que estão à mão, sobre questões locais e relações circunscritas". Bauman, também neste ensaio, que que se desenrola em volta de quatro capítulos (Inamorar-se e desinamorar-se, Dentro e fora da caixa de ferramentas de sociabilidade, Sobre a dificuldade de amar o nosso próximo, Agregação desmontada) aponta os perigos crescentes da sociedade líquido-moderna, que
se redefine como um depósito enorme de lixo que invade o nosso mundo.

Autoria e outros dados (tags, etc)

Tags:

publicado às 20:33


Comentar:

Comentar via SAPO Blogs

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.



Mais sobre mim

foto do autor


Pesquisar

Pesquisar no Blog

Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2016
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2015
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2014
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2013
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2012
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2011
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2010
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2009
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2008
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2007
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D

subscrever feeds