Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]




CRER EM ALGUÉM

por Thynus, em 05.12.10

Nós cristãos esquecemos com muita frequência que a fé não consiste em crer em algo, mas em crer em Alguém. Não se trata de aderirmos fielmente a um credo e, muito menos, de aceitar cegamente «um conjunto estranho de doutrinas», mas de encontrarmo-nos com Alguém vivo que dá sentido radical à nossa existência. O verdadeiramente decisivo é encontrar-se com a pessoa de Jesus Cristo e descobrir, por experiência pessoal, que só Ele pode responder de maneira plena às nossas perguntas mais decisivas, aos nossos anseios mais profundos e às nossas necessidades mais últimas. Nos nossos tempos torna-se cada vez mais difícil crer em algo. As ideologias mais firmes, os sistemas mais poderosos, as teorias mais brilhantes foram-se desmoronando ao descobrirmos as suas limitações e profundas deficiências. O homem moderno, desiludido dos dogmas, ideologias e sistemas doutrinais, talvez ainda esteja disposto a crer em pessoas que o ajudem a viver e o possam «salvar» dando um sentido novo à sua existência. Por isso o teólogo K. Lehmann pôde dizer que «o homem moderno só será crente quando tiver feito uma experiência autêntica de adesão à pessoa de Jesus Cristo». Causa tristeza observar a atitude de sectores católicos cuja única obsessão parece ser «conservar a fé» como «um depósito de doutrinas» que há que saber defender contra o assalto das novas ideologias e correntes que, para muitos, resultam mais atrativas, mais actuais e mais interessantes. Crer é outra coisa. Antes de tudo, nós cristãos temos de preocupar-nos em reavivar a nossa adesão profunda à pessoa de Jesus Cristo. Só quando vivermos «seduzidos» por Ele e trabalhados pela força regeneradora da sua pessoa, poderemos transmitir também hoje o seu espírito e a sua visão da vida. Caso contrário, continuaremos a proclamar com os lábios doutrinas sublimes, ao mesmo tempo que continuamos a viver uma fé medíocre e pouco convincente. Nós cristãos temos de responder com sinceridade a essa pergunta interpeladora de Jesus: «E vós, quem dizeis que eu sou?» (Cfr. Mc. 8,27-35). Ibn Arabi escreveu que «aquele que ficou preso por essa enfermidade que se chama Jesus, não pode mais curar-se» . Quantos cristãos poderiam hoje intuir desde a sua experiência pessoal a verdade que se encerra nestas palavras?

Autoria e outros dados (tags, etc)

Tags:

publicado às 18:29



Mais sobre mim

foto do autor


Pesquisar

Pesquisar no Blog

Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2016
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2015
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2014
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2013
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2012
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2011
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2010
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2009
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2008
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2007
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D