Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]



Homens e mulheres: dois planetas com diferentes linguagens, ou seja, citando um bestseller famoso, "Os homens são de Marte e Mulheres são de Vênus". John Gray, psicossexólogo e terapeuta familiar, autor deste livro, argumenta que os homens e as mulheres têm duas formas diferentes de pensar, falar e amar.Se os "marcianos" mostram particular atenção no poder, competência, eficiência, definindo o seu próprio senso com base na capacidade de conseguir resultados, sentindo-se realizados através do sucesso alcançado; as "venusianas", em contraste, têm valores diferentes, como o amor, a comunicação, a beleza e o senso de si é definido através dos sentimentos e da qualidade das relações interpessoais. Mas, muitas vezes, acontece que estes dois mundos diferentes se entendam mal: os comportamentos de ambos assumem para os "marcianos" e as "venusianas" significados diametralmente opostos, a ponto de se ter que pensar num verdadeiro dicionário para traduzir em linguagem correta as necessidades de ambos.Por exemplo, segundo Gray, se ele diz: "Não há nada que me preocupe, ela é provável que entenda "Não sei o que me preocupa, preciso que tu me faças perguntas para me ajudar a entender o que está acontecendo". Errado! Na verdade, a tradução correta da necessidade "marciana" é esta: "Não há nada que me preocupe e não seja capaz de resolver sozinho. Por favor, não me faças qualquer pergunta sobre isso. "Em resumo, diante da mesma circunstância, o homem precisa ficar sozinho e "retirar-se na sua caverna" para refletir e encontrar uma solução; a mulher, ao contrário, sente-se obrigada a compartilhar o seu estado de ânimo com o os outros. Outras diferenças em chave irónica podem ser encontrados no livro "A manutenção adequada do macho", de Jacopo Pois, onde se lê por exemplo: "Querida mulher, se não disseres ao teu homem que estás entusiasmada pelo facto de que ele encontrou o seu caminho para casa, apesar da chuva, ele fica mal. É um facto genético: ele sente necessidade de ser gratificado. Na realidade ele não é um duro, apenas finge. O seu cérebro tem a simplicidade desarmante de um ferro de engomar. Se queres algo mais refinado casa com uma mulher. "Mas quererendo dar um pouco de feedback sobre o assunto, peçamos a P., homem, 40 anos, criativo de uma empresa que lida com Informação e Comunicação Tecnológicas, o que acha das diferenças de pensamento entre homens e mulheres. Eis algumas das suas declarações:
 "Se os homens gostam dos seus carros... as mulheres destroem-nos!"
 "Para os homens o domingo é o tempo do jogo de futebol... as mulheres, no entanto, querem levá-lo a uma    exposição de cerâmica de 1500, encontrada num esgoto tibetano!"
 "Para os homens é importante fazer sexo... Para as mulheres é crucial ir e comprar aquele par de sapatos de que elas gostam muito."
 "Homens assobiam às mulheres e são vulgares na rua... mas elas levam uma hora para para estacionar o carro!"
Finalmente P. conclui: "As mulheres têm a mesma abordagem para a vida que os homens? Absolutamente não, e felizmente eu acrescento... isso significaria viver muito facilmente neste mundo!" Mas o que está por trás desses dois mundos? De acordo com a psiquiatra americana Louann Brizendine, autora de "O cérebro do homem" (The Male Brain), a natureza dos homens, como a das mulheres, são o resultado de uma combinação hormonal e da influência da cultura no crescimento de cada um de nós. Em particular, se o estrógeno na mulher e a oxitocina devem preparar o cérebro para comportamentos mais empáticos e afectuosos; no homem, no entanto, a testosterona, vasopressina e MIS (substância inibidora de Müller) levam-no a pensar sempre em sexo. No cérebro masculino, no hipotálamo, o impulso sexual ocupa um espaço que é de duas vezes e meia maior que o ocupado no cérebro da mulher. Isto obviamente, como aponta a psiquiatra, não significa que o homem é um "urso insensível," não interessado em apaixonar-se. Mas todas essas diferenças entre homens e mulheres, que às vezes podem levar a fáceis mal-entendidos, não significa que elas sejam negativas.Como argumenta John Gray, de facto, desde que se estabeleça um verdadeiro diálogo com o outro e se consiga aprender e apreciar as diferenças entre ambos os sexos, tudo se torna mais fácil, os mal-entendidos desaparecem e as relações são fortalecidas.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 20:21



Mais sobre mim

foto do autor


Pesquisar

Pesquisar no Blog

Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2016
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2015
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2014
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2013
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2012
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2011
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2010
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2009
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2008
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2007
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D