Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]




Sofrer de maneira mais humana

por Thynus, em 05.12.10
Todos queremos ser felizes. Por caminhos diferentes, com mais ou menos acerto, todos nos esforçamos por alcançar «algo» que chamamos «felicidade» e que nos atrai desde o mais profundo do nosso ser. Mas, tarde ou cedo, todos nos encontramos na encruzilhada do sofrimento. Por muito que se esforce em evitá-lo, todo o homem ou mulher termina experimentando na sua própria carne a verdade das palavras de Job: «O homem, nascido de mulher, é curto de dias e farto de inquietações.» Sem dúvida, os sofrimentos de cada pessoa são diferentes e podem dever-se a factores muito diversos. Mas K.G. Durckheim-K recorda-nos nas suas obras as três principais fontes donde brota o sofrimento humano. O homem busca, antes que nada, segurança e quando na sua vida surge algo que a põe em perigo, começa a sofrer porque a sua segurança pode ficar destruída. Muitos dos nossos sofrimentos provêm do medo de que fique destruída a nossa imagem, a nossa tranquilidade, a nossa saúde. O homem busca, além disso, sentido para a sua vida, e quando experimenta que esta não significa nada para ninguém nem sequer para ele mesmo, começa a sofrer porque já tudo lhe parece absurdo e inútil. Nada merece a pena. Quanto sofrimento nasce dos fracassos, frustrações e desenganos. O ser humano busca também amor frente ao isolamento e à solidão, e quando se sente incompreendido, abandonado e só, começa a sofrer. Quantas pessoas sofrem hoje porque não têm próximo ninguém que na verdade as queira. A fé não dispensa o crente destes sofrimentos; também ele conhece, como qualquer outro homem ou mulher, o lado doloroso da existência. Por outro lado a fé não carrega necessariamente o cristão com um sofrimento maior que o do resto dos homens. A primeira coisa que o crente escuta quando se sente interpelado por Cristo a levar a cruz atrás dele não é uma chamada a sofrer «mais» que os outros, mas a sofrer em comunhão com Ele, ou seja, a «levar a cruz» não de qualquer maneira, mas «atrás dele», com a mesma atitude e com o mesmo espírito. Quem vive assim a cruz, unido a Cristo e com uma atitude de confiança total em Deus, aprende a viver o sofrimento de uma maneira mais humana. Os sofrimentos continuarão com todo o seu realismo e crueldade, mas com o olhar posto em Cristo crucificado, o crente encontra uma força nova no meio da insegurança e da destruição; descobre uma luz, incluso nos momentos em que tudo parece absurdo e sem sentido; experimenta uma protecção última e misteriosa quando se sente abandonado por todos.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 19:12



Mais sobre mim

foto do autor


Pesquisar

Pesquisar no Blog

Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2016
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2015
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2014
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2013
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2012
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2011
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2010
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2009
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2008
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2007
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D