Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]




O Mito de Sísifo

por Thynus, em 06.12.10
A tenaz posição do homem frente à absurdidade da realidade. O homem na procura continua de um equilíbrio, que é estripado no raciocínio, è estripado pela sua carne desejosa de objectos e se torna puro pensamento. Ele se levanta como deus de si mesmo e acaba abatido pelos próprios limites, a finitude da sua existência, a procura da felicidade, tornam-se intuições a transformar, geração após geração a fim de percorrer uma estrada actualmente ilimitada na procura da verdade. Todavia a verdade não é unívoca e é mesmo por isso que nesta riqueza de diversidade o homem, o herói, o artista conhece o mundo que o rodeia. É a incessante análise que o homem coloca diante de si mesmo e da natureza, procura febril (usando um termo futurista) único fim da vida daquele homem que deixa para trás o ter para iludir-se de possuir a própria consciência, bem consciente desta necessidade. Agarra-se à vida para desfrutar cada instante e tornar-se imortal graças à esperança de deixar as próprias idéias para a integração dos vindouros. A confiança que o homem repõe no tempo e numa espécie de consciência coletiva que, graças ao trabalho de artistas e filósofos, tenta em vão de completar-se e nos empenha moralmente todos os dias. Afadiga-se mas não deixa nunca esta estrada pois está dentro, mesmo se frequentemente deixada de parte por empenhos sociais, e permanece sempre ali, toda a vida. É esta procura a mesma procura da felicidade? Esta que na espera traz o sofrimento e nos convida a uma certa "auto-mística" perpetuação do instante em que nós nos damos conta da vida que flui. É preciso desfrutar o tempo que temos para produzir ideologias, arte, discussões. O abstrato não nos circunda, é necessário procurá-lo na realidade, partir desta e aumentar o património humanitário representado por aquilo que nos é impedido pela sociedade moderna: ser e aceitar-se e conhecer.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 13:39


Comentar:

Comentar via SAPO Blogs

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.



Mais sobre mim

foto do autor


Pesquisar

Pesquisar no Blog

Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2016
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2015
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2014
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2013
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2012
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2011
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2010
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2009
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2008
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2007
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D

subscrever feeds