Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]



O mundo parece ter mudado logo que ficamos sem João Paulo II. Com Wojtyla parecia que tudo estava calmo e que nada acontecia. As coisas estavam no seu lugar e o sexo era reprimido. Os pedófilos, se os havia, estavam contidos, escondidos, ao abrigo do silêncio. Ratzinger fazia um excelente trabalho no Tribunal da Fé e podia silenciar qualquer voz, por mais ofendida que estivesse. Mas acabou a era do star system e a maioria, que se mostrava (e ainda se mostra) muito respeitosa, observa agora como os eventos são precipitadas pelo grande medo da essência sexual do ser humano. Não há dúvida. O sexo existe atinge em pleno tanto os homens comuns como os homens santos. A natureza triunfa e as ereções apresentam-se agora sem véus, em uns e em outros.
São a ciência moderna e homens como Charles Darwin e Sigmund Freud quem imporão à Igreja a necessidade de ter em conta, e sempre contra a sua vontade, uma realidade que, graças aos esforços da razão e da experiência, vão forçando mudanças no modelo perfeito que construiu o dogma expresso magistralmente no novo “Catecismo da Igreja Católica”, editado pessoalmente pelo cardeal Ratzinger por ordem de João Paulo II. A "Lei de Santidade" foi comprometida. A relação sexual, que não tem por fim único a procriação dentro do casamento, também faz parte da vida dos consagrados e está forçando a cúria romana a enfrentar os vínculos entre a castidade, a pureza, e a tendência para abusar de crianças.
"A sexualidade está ordenada para o amor conjugal entre homem e mulher", diz o “Catecismo ...” e não é um ato puramente biológico, “mas diz respeito ao núcleo íntimo da pessoa humana como tal." Mas nestes tempos conturbados, o desejo transbordou e já não consegue ser mantido em segredo pelo Tribunal da Fé. Em 2003, Tarcisio Bertone, vice-prefeito do ex-Santo Ofício, a respeito da pedofilia, disse numa entrevista ao Observer: "Na minha opinião o pedido de que o bispo esteja obrigado a entrar em contato com a polícia para denunciar um padre que tenha admitido atos de pedofilia é improcedente." Mas em muitos lugares, o escândalo já é impossível de conter, tornando-se um enorme problema jurídico e económico, como nos Estados Unidos, México, Irlanda, onde os pedidos de compensação estão diminuindo as finanças florescentes do Vaticano.
Os ultrajados pedem que se resolva a sua dor e humilhação com grandes somas de dinheiro que lhes permitirão pagar os custos do seu tratamento para superar, de alguma forma, os danos causados pelo abuso. E é que um grande número de homens escondidos no abrigo da santidade, obrigado pelos seus votos a não conhecer mulher, a não procriar, colocaram a sua atenção e os seus desejos em crianças vulneráveis, que não podiam distinguir claramente se o ato que estavam a ser submetidas era lícito, porque quem as submetia era também quem lhes ditava a diferença entre o bem e o mal, entre o correto e o caminho do inferno.
O sexo é, e sem dúvida, a maior força que motiva os seres humanos. E não poderá ser contido com palavras, com as orações que os padres pedófilos ensinaram às crianças para que não revelassem o que aconteceu nas suas escolas, nos colégios e em todos os lugares que deveriam estar seguros e não estiveram. A educação sexual, tal como atualmente ensinada nas escolas seculares, é o antídoto contra os abusos. E a Igreja ainda protesta porque acredita que deve ser ensinada apenas pelos pais e só em casa.
O modelo de sexualidade que a Igreja impôs terá que ir mudando nestes novos tempos. A pedofilia é apenas a ponta do iceberg que há-de obrigar um Concílio Vaticano a considerar, como Galileu fez em seu tempo, a importância de conceber de uma maneira diferente questões como a homossexualidade, o aborto, a abstinência, a inseminação artificial, a castidade, o casamento. A ciência tem muito a ensinar, e é na medida em que a hierarquia católica a conheça e aceite que poderá ir resolvendo conflitos que, caso não o faça, os levará a um Armagedão que ainda pode ser evitado.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 13:01



Mais sobre mim

foto do autor


Pesquisar

Pesquisar no Blog

Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2016
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2015
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2014
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2013
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2012
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2011
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2010
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2009
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2008
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2007
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D