Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]




Medo líquido

por Thynus, em 21.07.11

Quais são os medos do nosso tempo? O que significa ter medo hoje? Onde é que nasce o clima de inquietação, ânsia e insegurança que muitas vezes permeia os nossos dias? No seu novo livro, Zygmunt Bauman, um dos pensadores mais famosos e influentes contemporâneos, convida-nos a discorrer sobre o que nos une. Quem pode dizer que nunca teve medo?"O medo é um sentimento familiar a todos os seres vivos", escreve o autor, criador do conceito de "modernidade líquida" exposto em muitos dos seus livros, incluindo Modernidade Líquida, Amor líquido Líquido e Vida. Penetrando na sua análise enfatiza, acima de tudo, como nos seres humanos, ao contrário dos animais, este sentimento é particularmente vincolante, de facto, "direcciona o comportamento do ser humano depois de mudar a sua percepção do mundo e as expectativas que o guiam nas suas escolhas." Em resumo, nos seres humanos há uma particular sensibilidade para o perigo, que os afecta na sua visão de vida e que cria um estado de medo rastejante, suspenso no ar, presente mesmo na ausência de uma ameaça real e, portanto, mais insidioso.Nos nossos tempos, pobres de certezas e garantias, as oportunidades para ter medo não faltam. De acordo com a análise de Bauman, os perigos que se temem podem ser de três tipos:
- aqueles que ameaçam o corpo e os bens;
- os de carácter geral, relativos à estabilidade e à confiabilidade da ordem social;
- e aqueles que ameaçam a
própria colocação no mundo e a própria identidade, expondo-nos à possibilidade de ser humilhados e excluídos da sociedade. Por outro lado, e isto é o que mais preocupa, o medo é caracterizado pela ubiquidade, "pode
vir de qualquer canto ou fenda da nossa casa ou do nosso planeta": da rua, das pessoas que conhecemos ou de estranhos, da natureza,de outros povos."O medo mais temível é o medo generalizado, indistinto, livre, não ancorado, flutuante, sem um endereço ou uma causa claros; o medo que nos persegue sem uma razão, a ameaça que devemos temer e que vislumbramos por toda parte, mas nunca se mostra claramente. 'Medo' é o nome que damos à nossa incerteza, à nossa ignorância da ameaça, ou daquilo que é preciso fazer."Acreditávamos que na modernidade poderíamos deixar para trás os medos que tinham permeado a vida no passado; acreditávamos que seríamos capazes de assumir o controle das nossas vidas. "Nós, homens e mulheres que habitamos na parte ‘desenvolvida’ do mundo (a mais rica, a mais modernizada), somos ‘objetivamente’ as pessoas mais seguras na história da humanidade." Somo-lo contra as forças da natureza, contra a fraqueza congênita do nosso corpo ,contra as agressões externas. E mesmo assim, nós que gozamos de segurança e conforto sem precedentes, vivemos num estado de alerta constante. Este novo livro de Zygmunt Bauman é um inventário dos nossos medos. É a tentativa de descobrir as suas origens comuns, de estudar as formas para neutraliza-lo e abrir nossos olhos sobre a tarefa que temos de enfrentar, se queremos que amanhã os nossos semelhantes ressurjam mais fortes e mais seguros de quanto nós jamais fomos.
Residente em Londres e professor emérito de sociologia das Universidades de Leeds e de Varsóvia, Bauman tem publicados no Brasil 13 Livros - Entre eles, Amor Líquido e Globalização: As Conseqüências Humanas.
Um dos sociólogos mais importantes da atualidade. Grande colecionador de idéias que vagam no ar, aprofundou o conceito de uma sociedade "líquida", partindo do príncipe de que as certezas e previsibilidades do futuro estão diluídas e politicos e empresas querem lucrar com isso, não se vislumbrando como esse clima de insegurança possa acabar. “Pelo contrário, os governos e os mercados têm interesse em manter esses medos intactos e, se possível, aumentá-los.”

Autoria e outros dados (tags, etc)

Tags:

publicado às 20:29


Comentar:

Comentar via SAPO Blogs

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.



Mais sobre mim

foto do autor


Pesquisar

Pesquisar no Blog

Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2016
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2015
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2014
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2013
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2012
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2011
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2010
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2009
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2008
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2007
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D

subscrever feeds