Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]




A arte da vida

por Thynus, em 21.07.11

"Qualquer que seja o dinheiro e o crédito de que dispomos, não encontraremos num shopping o amor e a amizade, os prazeres da vida familiar, a satisfação de cuidar dos nossos entes queridos ou de ajudar um vizinho em perigo, a auto-estima por um trabalho bem feito, a gratificação do "instinto para o trabalho " que temos, a simpatia e o respeito dos colegas de trabalho e das outras pessoas com quem lidamos; e não podemos alcançar a liberdade de ameaças de "indiferença, de desprezo e das humilhações."
Dinheiro, poder, capacidade de consumir sem limite: tudo isso dá felicidade? Bauman abre o seu mais recente ensaio com uma análise argumentada de como não seja assim, ainda que hoje poder de compra e felicidade pareçam sinónimos.
"Rótulos, marcas e logotipos são termos da linguagem de reconhecimento." Ou seja, são realizados para afirmar o papel e o estatuto social do indivíduo-consumidor. Além disso, a propaganda destaca a capacidade de mudança de um determinado consumo/produto: rejuvenesce, renova, muda a vida. É evidente o poder de fascinação desta mensagem que, além demais, não cria compromissos porque, quando um produto não nos agrada mais, pode ser excluído com tranquilidade, mais ainda, a sua rápida substituição é recomendada ... Estes "tempos de relacionamento" dizem respeito à posse de objetos, mas não só: dizem respeito à cultura hodierna das relações "com baixo comprometimento" no seu conjunto.No entanto, o sentimento de precariedade das relações é uma fonte de insegurança e sentimos saudades de sentimentos a longo prazo.Não é de subestimar a necessidade humana de afirmação do indivíduo contemporâneo: estado de ânimo extremamente difuso, elemento esse que em vez de “dar asas" puxa para baixo como um pedregulho. Mas então como se pode aprender a arte da vida, sugestivo título deste livro? Temos que tentar o impossível, diz Bauman.Porque a felicidade precisa estar sempre um passo acima dos outros, mas a estima dos outros é fundamental para dar base à nossa auto-estima ... Sempre desapontados prosseguimos na busca espasmódica da felicidade. "Deixo aos leitores, sublinha Bauman, que decidam se a coerção para procurar a felicidade na forma praticada na nossa sociedade de consumidores líquido-moderna, faz feliz aquele que é obrigado." Talvez não, parece querer sugerir-nos o autor.
Eis então a arte da vida como criação sempre renovável, que, como qualquer arte, é também sofrimento, é dor, é pesquisa, é renúncia, é prazer.
"A arte da vida" significa coisas diferentes para aquele que faz parte da velha ou a da nova geração, mas cada um é um artista e ninguém pode colocar de lado a arte.

Autoria e outros dados (tags, etc)

Tags:

publicado às 20:32



Mais sobre mim

foto do autor


Pesquisar

Pesquisar no Blog

Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2016
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2015
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2014
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2013
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2012
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2011
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2010
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2009
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2008
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2007
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D