Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]




A solidão do cidadão global

por Thynus, em 21.07.11

 

Acreditamos que vivemos numa era em que todos os problemas e questões relativos à nossa liberdade estejam já todo resolvidos. A verdade é que queremos um mundo melhor, mas sabemos que, individualmente, torna-se impossível idealiza-lo e construí-lo. Isto é porque foi-nos tirada a voz "social".
Estranho acreditar que estas duas convicções sejam inerentes a nós, como contraditórias: como se pode acreditar que numa e noutra? Se se está convencido de que a batalha pela liberdade foi ganha, por outra ... como é possível imaginar que a possibilidade de um mundo melhor não esteja entre os troféus desta a vitória?
Na verdade, temos sido persuadidos a pensar que este é o melhor mundo em que podemos viver e, portanto, aceitamos a realidade, defendendo a única coisa que podemos identificar com as nossas liberdade: os nossos interesses privados.
Mas aqui falamos de proteção da propriedade privada, não da liberdade pessoal. Devemos apoiar a liberdade de todos de todos para ter alegrias pessoais, apelando para o social.
A nossa existência social ainda é incerta, porque somos vítimas do que Bauman chama de "Unsicherheit", ou seja, a incerteza, a insegurança existencial e a falta de garantias de segurança para própria pessoa, precariedade.
O que nos falta é uma ponte que ligue a voz privada no mundo público. A política, neste contexto, é a primeira matriz do problema. Bauman diz que ela está cheia de insignificância, sem programas. O objetivo dos políticos é manter no cargo.
A política deve fornecer a capacidade de superar as nossas limitações e promover uma vida social saudável.
Bauman busca uma solução para que isto seja viável, e identifica-a com a ágora. Estes espaços permitir-nos-iam lutar contra a insegurança imperante e dinamizar a nossa capacidade de ser capazes de realmente mudar as coisas e viver não num dos mundos possíveis, mas naquele que nós idealizamos e construimos.
Infelizmente, atualmente os espaços são tão poucos que essas mudanças parecem utópicas, também porque parece que a atenção global para um problema só se tenha apenas em ocasiões especiais e que tenham as características de uma explosão.
É difícil criar atenção e vontade para a sociabilidade.
O que acontece é grande ruído em tempos curtos.
Além disso, parece que a sociedade se mova numa direção comum colocando toda a sua atenção "social" apenas em acontecimentos de interesse "externo" aos próprios problemas cotidianos, a atenção é voltada para factos extraordinários, como a morte de Lady Di.
Neste livro, Bauman oferece uma variedade de soluções e busca fornecer um modelo para criar um mundo melhor.
Primeiro, ele nos convida-nos a pensar. Não é verdade que somos herdeiros de uma sociedade pós-utópica e pós-ideológica porque todos os problemas já foram resolvidos.
Diz ele: Acho que as perguntas nunca são erradas, as respostas podem ser. Mas também acredito que abster-se de fazer perguntas seja a pior resposta de todos.
As soluções oferecidas por Bauman são identificadas num modelo republicano de estado e de cidadania, com o direito universal a uma renda mínima garantida e a expansão das instituições próprias de uma cidade autónoma até ao ponto de restaurar a capacidade de acção, através da apropriação de poderes que são atualmente extraterritoriais.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 20:35


Comentar:

Comentar via SAPO Blogs

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.



Mais sobre mim

foto do autor


Pesquisar

Pesquisar no Blog

Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2016
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2015
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2014
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2013
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2012
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2011
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2010
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2009
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2008
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2007
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D

subscrever feeds