Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]




A Angústia em Kierkegaard

por Thynus, em 05.12.10

Depois de ter delineado os estados fundamentais da existência, Kierkegaard aprofundou os conceitos de angústia e desespero.
A angústia, como Kierkegaard exprime em O conceito de angústia, é entendida como relação do eu com o mundo.
A angústia é o sentimento do possível, a condição existencial gerada pela “vertigem” da liberdade, ou seja, das infinitas possibilidades da existência.
A tal propósito, Kierkegaard vai às raízes da antropologia, relevando que a angústia é o fundamento do pecado original. Indica assim os vários estádios existenciais de Adão:
1. INOCÊNCIA
A inocência de Adão é uma ignorância (daquilo que pode) que contem um elemento que não é nem calma ou repouso, nem perturbação e luta (porque não existe nada contra que lutar), mas é um nada, e este nada gera a angústia. A angústia, enquanto sentimento do possível, não se refere a nada de preciso, e difere, portanto, do temor, que se refere a alguma coisa determinada.
2. PROIBIÇÃO DIVINA
A proibição divina inquieta Adão porque o põe frente à possibilidade da liberdade, a angustiante possibilidade de poder. Adão não sabe o que pode, porque não conhece a diferença entre bem e mal. Nele está presente unicamente a possibilidade de poder, que se concretiza, na experiência vivida, na angústia.
3. FUTURO
A angústia está ligada ao futuro visto que a angústia é o sentimento do possível, e o possível corresponde ao futuro.

O passado pode angustiar apenas quando se representa como uma possibilidade de repetição no futuro. Portanto uma culpa passada gera angústia apenas se não è realmente passada; de facto, no caso em que seja realmente passada, essa gera arrependimento, mas não angústia. A angústia está com efeito ligada à possibilidade, àquilo que não é ainda mas pode ser, à ameaça do nada (ao nada que é possível).
A angústia está ligada apenas à condição humana e não dos animais. De facto, no caso da humanidade, o indivíduo é superior à espécie.
De facto, o animal tem uma essência (característica fixa) e está determinado (age mecanicamente); a essência é o reino da necessidade, de que a ciência procura as leis.
Ao contrário, a existência do indivíduo é o reino da possibilidade, do devir, do contingente, da história, portando, da liberdade: o homem é aquilo que escolhe ser, aquilo que se torna.
O modo de ser da existência não é a necessidade, mas a possibilidade.
A possibilidade é a mais pesada das categorias, embora alguns, entendendo-a como possibilidade de felicidade ou de fortuna, retêm que seja ligeira. Pelo contrário, na possibilidade tudo é igualmente possível, essa tanto pode ter um lado terrível como um reverso agradável.
Nas páginas conclusivas de O conceito de angústia Kierkegaard põe em relevo que a angústia é constitutiva da condição humana e está ligada à possibilidade. Em particular Kierkegaard contradiz Lutero, segundo quem a frase que revela a humanidade de Cristo é “Meu Deus, porque me abandonaste?”, substituindo-a por sua vez por aquela que Cristo dirige a Judas: “Apressa-te a fazer aquilo que tens a fazer!”. A primeira parte exprime o sofrimento daquilo que acontecia, a segunda a angústia daquilo que poderia acontecer.
O antídoto da angústia não é a previsão, ou seja, o cálculo das possibilidades, a prevenção, pois não pode nada em relação à omnipotência ou infinidade do possível (“No possível, tudo é possível”), ou seja, a indeterminação das possibilidades que causa a angústia.
A única solução para a angústia e a fé religiosa naquele para quem “tudo é possível”.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 23:39



Mais sobre mim

foto do autor


Pesquisar

Pesquisar no Blog

Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2016
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2015
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2014
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2013
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2012
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2011
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2010
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2009
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2008
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2007
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D