Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]




ROTINA, A GRANDE VILÃ DO CASAMENTO

por Thynus, em 04.12.12

A mente é um coquetel de reações químicas. Então, é possível erotizar o pensamento. Muitos terapeutas sexuais ensinam a técnica. É preciso se concentrar apenas nos aspectos positivos do parceiro - ou parceira - e lembrar das experiências sexuais mais "quentes" que tiveram juntos. O cérebro reage liberando as substâncias químicas que despertam o desejo e a excita
ção. É a mesma reação que acontece durante o período de atração e namoro, quando cada um só vê as qualidades do outro e o apetite sexual aparece, insaciável. Também é possível afastar qualquer pensamento erótico. Basta se concentrar nos defeitos do outro - ou outra. Assim, o cérebro não libera as substâncias que causam o desejo e a excitação.
Boa notícia: se é possível despertar o cérebro para o sexo, também é possível despertá-lo para a paixão. Basta recriar as rotinas do tempo de namoro e do início do relacionamento. É por isso que jantares à luz de velas, passeios de mãos dadas pela praia e fins de semana românticos funcionam tão bem. O casal leva um "choque" hormonal - uma sensação que costuma ser descrita como "estar nas nuvens". Quem espera que o clima de paixão dure para sempre certamente se desaponta. Mas, com um bom planejamento e um convicto investimento, pode ser recriado em muitos momentos.
O amor começa com uma atração que pode durar horas, dias ou semanas. A seguir, vem a paixão, que dura, em média, de 3 a 12 meses, até que a afinidade apareça. Quando o deslumbramento causado pelo coquetel de hormônios diminui de intensidade, depois de mais ou menos um ano, e vemos o outro - ou outra - à luz do dia, alguns detalhes que pareciam encantadores podem passar a ser irritantes. Antes, ela achava engraçado ele não conseguir encontrar nada na geladeira, mas agora tem vontade de gritar. Ele adorava ouvir tudo o que ela dizia, mas agora chega a pensar em apertar o pescoço dela. E cada um se pergunta: "Eu posso viver assim para o resto da minha vida? O que nós temos em comum?"
Encontrar a "cara-metade" significa ver o que os dois têm em comum a longo prazo e fazer isso antes de a cegueira natural causada pêlos hormônios operar. Quando a paixão acabar - e vai acabar -, vai ser possível um relacionamento baseado em companheirismo e interesses comuns? Serão capazes de construir uma feliz cumplicidade?

(Allam e Barbara Pease “POR QUE Os Homens Fazem Sexo E as Mulheres Fazem Amor?”)

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 12:05



Mais sobre mim

foto do autor


Pesquisar

Pesquisar no Blog

Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2016
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2015
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2014
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2013
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2012
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2011
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2010
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2009
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2008
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2007
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D