Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]




...

por Thynus, em 27.11.12
A eleição sexual não exclui nenhuma parte do corpo. Há pessoas, por exemplo, para as quais a forma da orelha tem grande importância. Há aqueles que só atingem o orgasmo brincando com as partes cartilaginosas da orelha da sua companheira.
O fenômeno que Freud descobriu e a que chamou “transposição de baixo para cima”, atribui à orelha a importância de um órgão sexual. Para o chinês, coçar orelhas o
u bochechas, não é embaraço, mas felicidade.
A boca tem maior importância na eleição sexual. Lábios espessos, carnudos, passam por ser indicadores de forte sexualidade. Homens e mulheres de lábios estreitos podem ser excessivamente sensuais e, pelo contrário, certas mulheres de lábios grandes e grossos, ficam frias e não encontram nenhum prazer no beijo. A boca pequena e a boca grande desempenham um papel importante na seleção sexu al. A língua, a maneira de agitá-la, de esticá-la, de movimentá-la entre os lábios, pode ser também muito atraente e excitante. Os chineses quando botam a língua para fora, estão indicando surpresa. Muitas pessoas concentram toda a sexualidade na boca. Os dentes também possuem, de acordo com a enorme variabilidade que apresentam, um papel muito importante na sexualidade. Assim chega-se a entender porque tantas pessoas riem por qualquer motivo, a não ser o prazer de mostrar os dentes.
A sonoridade de uma voz, o timbre, a potência, a profundidade e a pureza, possuem igualmente grande, decisiva e rápida atuação no desencadear do amor repentino.
Alexandre Dumas Filho, romancista e dramaturgo francês (nasceu em 1824 e morreu em 1895) cita uma observação pessoal no seu romance La Maison du Vent. Uma jovem atriz visitava ao escritor e ouviu a voz de um de seus amigos que conversava em uma sala vizinha.-- Que voz magnífica, disse ela, interrompendo uma frase após tê-la escutado em silêncio. Dumas teve de apresentá-la ao amigo a seu pedido, e imediatamente ela passou a amá-lo, ou melhor, já o amava desde o momento em que ouvira a sua voz. O amigo foi sensível a esse encantamento, apresentou-a e um grande amor nasceu entre eles e durou por muito tempo.
Em outro caso, agora recente, o de um amor à distância, nascido via bate papo da inernet, terminou no momento em que a moça ouviu pela primeira vez, a voz do homem que a impressionara na escrita eletrônica.
Antipatias sexuais nascem facilmente graças à voz. Há mulheres que se queixam que a voz dos maridos faz mal aos seus ouvidos, ou de que têm um marido que fala alto e em timbre desagradável. O grande número de mulheres que se impressionam por cantores mostra a importância da voz. São numerosas as garotas ou rapazes atingidos subitamente pelo amor de um cantor ou de uma cantora famosa.
Os cegos, pela ausência da possibilidade de ver expressões de comunicações visuais, desenvolvem uma sensibilidade particular para reconhecer as mensagens vocais e traduzir o significado emocional de uma voz.
Mantegazza no seu livro Fisiologia do Amor, entendeu que “... A sedução da voz possui alguns dos caracteres atribuídos à antiga magia: Ela nos surpreende e nos fascina, sem que possamos encontrar a razão de um distúrbio tão grande causado por alguns acentos, algumas palavras.
Sentimo -nos quase humilhados por sermos vencidos sem combate e subjugados sem o nosso consentimento. Mais de uma vez temos resistido às seduções da vista, às violências do tato, mas a voz nos subjuga e nos joga, com pés e mãos atados, nos braços de uma potência misteriosa que exige de nós cega obediência e contra a qual é inútil qualquer rebelião.
Esta influência da voz permanece eternamente, nunca é esquecida e sobrevive, muitas vezes, ao próprio amor. Após longos anos de silêncio, de indiferença, de desprezo, o vento nos traz uma voz, um som, como no primeiro dia de nosso amor, somos perturbados, surpreendidos, reconquistados. O ouvido joga a isca nas águas mais profundas das nossas afeições e mais um amor renasce por milagre das suas cinzas, graças a uma voz querida que pensávamos ter esquecido há muito tempo”.
Quanto mais o companheiro sexual ocupa uma situação elevada, mais a submissão é fácil, e mais a luta sexual é feroz entre eles. Porque nos submetemos apenas para que o outro companheiro se submeta também por sua vez? - Casamentos com grandes figuras da arte acabam mal porque o orgulho pessoal não os faz submissos nem concordantes. Há garotas que ao ouvir determinada música cantada por um determinado cantor chegam ao orgasmo por mais trivial que seja a música. Não importa qual o tipo de música, pode ser até um bate-estaca da pesada que pode acionar o erotismo. As mulheres acreditam que quem é grande artista musical deve ser, também, grande artista no amor e esperam deles grandes êxtases sexuais, quando, muitas vezes ficam decepcionadas com a realidade que encontram. Grande quantidade de grandes artistas são amorosos mediocres. Amam muito a si mesmos. Além disso uma forte bissexualidade que existe sempre, impede-os de aplicar, no amor, todas as suas faculdades eróticas. São muitas vezes impotentes e muitas vezes frios, preferindo, as mulheres, satisfações lesbianas. A maioria dos homens e das mulheres que se entregam a artistas queimam-se como borboletas na luz. Além do mais, quasi todos os artistas são um pouco infantis.
A estatura pode também ter influência decisiva na eleição amorosa. O amor repentino nasce muitas vezes da impressão deixada por uma bela altura, pela marcha, por um certo gesto que desperta determinadas lembranças infantis.
Certas características da altura, pernas esbeltas ou pernas curtas, ou belos braços, desempenham sempre um nítido papel na eleição amorosa.
A mão também decide movimentos de simpatia ou de antipatia. Gabriel D’Annunzio dedicou à sua Gioconda as belas mãos da Duse.
Há homens que olham, de início, a mão das mulheres e muitas vezes são estas que afirmam que amam a tal ou qual homem porque este tem belas mãos. São hipnotizadas por elas e sentem um grande amor pelo dono das mãos. Muitos pianistas, por exemplo, ou desenhistas, cuidam das mãos de maneira extraordinária e chegam a inventar um método próprio para lavá-las ou então utilizar os serviços de uma manicure. Acabam casando com a manicure! -- A grande importância da manicure vem da super-estima erótica das mãos. Há a máscara da homossexualidade em tais predileções (preferência pelas zonas erogenas bissexuais).

(Albertino Aor da Cunha - "A Mentira Nua e Crua")

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 15:30



Mais sobre mim

foto do autor


Pesquisar

Pesquisar no Blog

Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2016
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2015
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2014
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2013
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2012
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2011
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2010
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2009
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2008
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2007
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D