Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]




A mulher e suas armas naturais

por Thynus, em 25.11.12
A natureza destinou às jovens o que, em dramaturgia, chama-se efeito teatral, dando-lhes por poucos anos abundante beleza, encanto e corpulência, à custa de todo o resto de sua vida, para que, durante esses anos, elas pudessem se apoderar da fantasia de um homem em tal medida, que ele de alguma forma fosse induzido a ficar honestamente com uma delas para sempre. Ao dar esse passo, o homem parece não ter recebido nenhuma garantia segura e suficiente por parte da mera reflexão racional.
Sendo assim, a natureza proviu a mulher, bem como todas as suas criaturas, de armas e instrumentos necessários para a segurança e a duração de sua existência. Também nesse caso a natureza procedeu com sua habitual parcimônia. Do mesmo modo como, por exemplo, as formigas fêmeas, após a cópula, perdem as asas doravante desnecessárias ou até perigosas para a prole, geralmente depois de uma gravidez ou mais a mulher perde a beleza, provavelmente pela mesma razão.
As mulheres, por serem mais frágeis, são levadas pela natureza a fazer uso não da força, mas da astúcia: eis a origem de sua esperteza instintiva e da sua tendência inextirpável à mentira. Pois, assim como a natureza dotou o leão de garras e dentes, o elefante e o javali de presas, o touro de chifres e a sépia da tinta que turva a água, também dotou a mulher da arte de fingir para proteger-se e defender-se, e toda a força que deu ao homem sob a forma de vigor físico e de razão, dispensou à mulher sob a forma do referido dom. A dissimulação é, portanto, inata à mulher e própria, quase na mesma medida, tanto à estúpida quanto à inteligente. Sendo assim, fazer uso da dissimulação em qualquer ocasião é tão natural para a mulher como o uso imediato das armas o é para aqueles animais durante um ataque; de certo modo, ela tem a sensação de estar dispondo dos seus próprios direitos.

(Arthur Schopenhauer - "A Arte de Insultar")

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 21:14



Mais sobre mim

foto do autor


Pesquisar

Pesquisar no Blog

Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2016
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2015
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2014
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2013
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2012
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2011
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2010
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2009
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2008
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2007
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D