Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]




A era pós-americana

por Thynus, em 24.12.12

O maior casino do mundo é em Macau, não em Las Vegas. A maior indústria cinematográfica é a indiana Bollywood e não mais Hollywood, ícone americana por excelência. O homem mais rico do mundo não é Bill Gates, mas Carlos Slim, um mexicano. O mundo ocidental está prestes a ser esmagado pela ascensão política, cultural e económica do Oriente? Em certo sentido, sim. Está em implementação a "terceira deslocação de poder na história moderna", na sequência de eras anteriores, em que a Europa primeiro, e depois os EUA dominaram o planeta, governando os fluxos de dinheiro e influenciando os estilos e os ritmos de vida, costumes e culturas. Nas últimas décadas, a globalização trouxe consigo a"subida dos outros": China e Índia, mas também México e África do Sul, com as suas economias em grande desenvolvimento e imparável crescimento demográfico, estão impondo uma nova ordem mundial. A conquista do predomínio no sector produtivo cria um novo orgulho nacional e audácia política em partes do mundo até agora subordinadas. E um Ocidente preocupado, prisoneiro da recessão económica, com tensões internas causadas por fluxos migratórios e incertezas do cenário global, pergunta-se: o que nos reserva o mundo após os EUA?
É um futuro para o qual não estamos preparados, responde Fareed Zakaria, analisando o nosso tempo - e aquele que está para vir - com clareza, visão e previsão. Nalgumas áreas, como a política a hegemonia será em breve apenas uma recordação para o Ocidente, que irá sobreviver e prosperar apenas se souber recuperar áreas como a investigação, a inovação e a criatividade. O desafio é emocionante: livrar-se das velhas lógicas diplomática, criar alianças fora do comum, definir uma nova agenda global. E, talvez, o alvorecer que surge com o nosso milénio traga consigo a possibilidade de construir finalmente um mundo à medida de todos.

Fareed Zakaria (Bombaym 1964) dirige a edição internacional do "Newsweek" de que também é editorialista, a sua rubrica é retomada pelo "Washington Post". O seu ensaio anterior, Democracia sem liberdade, foi traduzido para vinte idiomas.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 12:49



Mais sobre mim

foto do autor


Pesquisar

Pesquisar no Blog

Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2016
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2015
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2014
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2013
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2012
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2011
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2010
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2009
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2008
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2007
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D