Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]



 

"Na Grécia antiga, o homossexualismo masculino era não só permitido como altamente respeitado. O cristianismo veio condenar o relacionamento entre pessoas do mesmo sexo, fazendo com que o homossexualismo fosse banido. Na era vitoriana, até a existência da homossexualidade era negada. Se descoberta, era considerada obra do diabo e punida com severidade. Mesmo às portas do século XXI, as gerações mais antigas ainda acreditam que o homossexualismo seja um fenómeno "antinatural"." (Allam e Barbara Pease) O mesmo defendem confissões religiosas. Em dezembro do ano passado, o cardeal mexicano Javier Lozano Barragan disse que os homossexuais “nunca entrarão no reino dos céus” e que “não se nasce homossexual, mas torna-se um”.  Mais recentemente Silas Malafaia (pastor evangélico) declarou: “a homossexualidade é uma rebelião consciente contra o que Deus estabeleceu na Criação. A Bíblia diz que Deus criou o ser humano como macho e fêmea, e em seguida instituiu o casamento heterossexual e a família... A homossexualidade é, antes de tudo, uma questão de comportamento, de preferência. É uma conduta aprendida ou induzida. Psicólogos e psiquiatras são unânimes em afirmar que o fator mais importante para uma criança decidir sua preferência sexual é a maneira como ela é criada.” Em 2010 o mesmo pastor Malafaia, da Igreja Evangélica Assembleia de Deus, optou por veicular através de 600 outdoors, no Rio de Janeiro, a seguinte mensagem homofóbica: “Em favor da família e preservação da espécie. Deus fez macho e fêmea”.
Actualmente todos os médicos e psicólogos estão de acordo em considerar a homossexualidade “natural”. Não é portanto um distúrbio psicológico, mas uma variante normal do comportamento sexual humano.
As teses mais modernas e atendíveis retêm a homossexualidade inata, portanto independente de factores ambientais e educativos. As explicações que a atribuem a “traumas infantis” ou à “ausência de um dos genitores” são consideradas ridículas e carentes de qualquer fundamento.
"Infelizmente, estatísticas demonstram que, entre os adolescentes suicidas, 30 por cento são gays e lésbicas. Um em cada três transexuais comete suicídio. Um estudo da educação desses jovens concluiu que foram criados em famílias ou comunidades altamente preconceituosas, que pregavam o ódio e a rejeição aos  homossexuais, ou em religiões que tentavam "salvá-los" com orações ou terapia" (Allam e Barbara Pease)
O pesquisador Jacques Balthazart, da Universidade de Liège (Bélgica), retomou a polêmica tese sobre o “gene gay”. O seu estudo, intitulado “Biologia da homossexualidade: gay nasce, não escolhe ser”, sugere que alterações hormonais durante a vida embrionária podem determinar mudanças no comportamento sexual do indivíduo.
Balthazart disse que o efeito da sua pesquisa ajudará a encarar o homossexualismo como natural: “Se a homossexualidade não é um defeito, uma perversão ou uma escolha, não há motivo para perseguir os homossexuais”, afirmou o pesquisador, cuja tese contraria a posição religiosa sobre o tema.
Muitos homossexuais hoje escolhem de viver abertamente a sua homossexualidade, não fazendo dela um mistério e sentindo-se orgulhosos de si. No entanto a homossexualidade é ainda objecto de fortes preconceitos na nossa sociedade. O homossexual normalmente tem medo de expor-se por temor de ser objecto de chacota, insultos, de ser rejeitado e marginalizado. Compete a todos nós, gays, lésbicas, e, sobretudo, heterossexuais difundir uma cultura de respeito mútuo e defender a visibilidade.
"Tal como os heterossexuais, gays e lésbicas não escolhem a sua orientação sexual. Cientistas e a maioria dos especialistas em sexualidade humana concordam: o homossexualismo é definitivo. Pesquisadores acreditam que a orientação sexual é quase completamente determinada ainda na vida intra-uterina, confirmada por volta dos cinco anos de idade e é incontrolável. Durante séculos foram empregadas as mais variadas técnicas para tentar livrar as "vítimas" de tendências homossexuais, desde a extirpação das mamas até à psicoterapia e ao exorcismo. Nenhuma deu certo. O máximo que se conseguiu foi fazer com que alguns bissexuais só mantivessem relações com o sexo oposto, forçar alguns homossexuais à solidão e levar muitos deles ao suicídio.
Pesquisas confirmam o que os cientistas sabem mas não ousam discutir: com uma simples injeção de hormônio no momento certo é possível controlar o sexo do cérebro e determinar a sexualidade do feto. Mas isso levantaria uma série de questões morais, éticas e humanas - com toda a razão" (Allam e Barbara Pease).
Homofobia significa medo do homossexual. Mas o termo homofobia não é um termo satisfatório, enquanto focaliza a atenção sobretudo sobre as causas individuais, "irracionais", transcurando as componentes culturais e as raízes sociais da intolerância e portanto mais assimiláveis ao racismo, à xenofobia, à misoginia, etc.
Como o racista, o homófobo normalmente está ligado a um sistema codificado de crenças que retém de dever defender da ameaça de sujeitos que considera perigosos. A nível sociocultural, a homofobia pode ser definida como "um sistema de crenças e estereótipos que torna justificável e plausível a discriminação com base na orientação sexual; o uso de uma linguagem ou slogan ofensivo nos confrontos das pessoas gays; qualquer sistema de crenças que desvaloriza os estilos de vida homossexuais em confronto com os heterossexuais".
"Se durante o início da gestação de um feto do sexo masculino ocorrer uma baixa de testosterona, as chances de nascer um menino gay aumentam incrivelmente, já que os hormónios femininos é que vão configurar o cérebro.
Estudos feitos na Alemanha nos anos 70 demonstram que mães que passam por situações de stress durante o início da gravidez têm possibilidades seis vezes maiores de gerar um filho gay. Principalmente o stress causado por problemas emocionais e certas doenças faz cair o nível de testosterona, assim como alguns medicamentos que baixam esse nível. Da mesma forma o álcool e a nicotina têm efeitos nocivos, enquanto que uma dieta adequada e uma vida tranqüila só podem trazer benefícios. Todas essas afirmações são feitas com base em pesquisas efetuadas em vários centros de ciência no mundo" (Allam e Barbara Pease).
HYPERLINKS:
* Será o Sexo mais poderoso que a Igreja?
* Celibato e pedofilia: o rei vai nu!
* Enquanto continuar o celibato como lei, a Igreja estará sob o fogo da suspeita. 
* A sexualidade é uma espécie de patologia do cristianismo e da Igreja
* Entre a batina e a aliança
* Sexo e Contradições na Igreja Católica
* Sexo e confessionário
* Celibato obrigatório, o veneno que asfixiou a Igreja romana
* A Hipocrisia do Celibato Católico Romano
* O Calvário Vergonhoso da Igreja Romana
* Pedofilia e Igreja romana: O problema é do celibato imposto?
* O inconsciente da Igreja
* O Calvário Vergonhoso da Igreja Romana
* DESMI(S)TIFICAÇÃO DA SAÍDA DE CENA DE RATZINGER - Cardeal escocês admite "comportamento sexual" inapropriado
*Papa Francisco defende união civil gay, diz New York Times

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 13:37



Mais sobre mim

foto do autor


Pesquisar

Pesquisar no Blog

Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2016
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2015
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2014
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2013
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2012
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2011
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2010
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2009
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2008
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2007
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D