Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]




Deus e Mafia: combinação impossível? Sim, de acordo com a lógica; muito diferente, na prática. Desde o seu início, de facto, a Mafia tem feito referência de forma contínua e instrumental aos símbolos católicos, reescrevendo uma "religião de cabeça para baixo" sob medida para as suas necessidades de auto-absolvição. A Igreja Católica - por medo, por conveniência, por ignorância - muitas vezes abençoou esta teologia individualista, oferecendo-se como mediadora no diálogo dos mafiosos com o seu Deus. Se é verdade que hoje, especialmente depois dos massacres e do assassinato do Padre Puglisi, em 1993, as hierarquias da Igreja desenvolveram uma sensibilidade mais próxima às razões da legalidade, no entanto, ainda resiste uma Igreja de muitas almas, onde, juntamente com o trabalho daqueles sacerdotes que estão pessoalmente envolvidos nas partes mais quentes do confronto entre o Estado e a mafia, encontra espaço também a condescendência para com a “Cosa Nostra”. Sobre os ministros da religião católica recai hoje uma grande responsabilidade, "os novos conhecimentos e a nova consciência obrigam a uma não posição de neutralidade, sem se tornar cúmplice, mesmo que “involuntária”, do sistema de poder mafioso."
A autora oferece uma chave para a compreensão desses episódios e documentos, relacional e dialógica, colocando os factos dentro dos contextos em que são gerados.

Um episódio que me impressionou particularmente: durante a visita do Papa João Paulo II em 1982 a Palermo, a dirigir o carro pelas ruas da cidade é o mafioso, Angelo Siino. Como foi capaz de ter esse reconhecimento pode ser um mistério somente para aqueles não familiarizados com o ambiente, onde há padres complacentes que não se subtraem nunca de oficiar uma cermónia a criminosos bem conhecidos.
Concluo, trazendo uma reflexão do ex-mafioso, que atualmente colabora com a justiça, Leonardo Messina, "Sabe que agora, diante de Cristo, eu me sinto como um traidor? Quando eu era um assassino, ia à igreja com a consciência tranquila. Agora que sou um arrependido, não rezo com serenidade".


Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 19:49



Mais sobre mim

foto do autor


Pesquisar

Pesquisar no Blog

Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2016
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2015
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2014
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2013
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2012
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2011
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2010
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2009
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2008
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2007
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D