Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]



A Igreja sempre se considerou com o direito de intervir na coisa pública. Esse direito é legítimo. Por duas razões: sendo uma grandeza da sociedade, a Igreja pode e deve ter uma palavra a dizer no que se refere à realidade política, social, económica... Por outro lado, e sobretudo, o Evangelho não permite que a Igreja, ao contrário da vontade de muitos, seja encurralada na esfera do meramente privado, por outras palavras, no espaço das sacristias. O Evangelho, embora exija a autonomia das realidades terrestres, transporta necessariamente consigo consequências nos domínios do político, do social, do económico... E a Igreja tem não só o direito mas também o dever de intervir nesse campo, em nome da dignidade inviolável da pessoa humana e, conse-quentemente, dos seus direitos inalienáveis.
Mas há agora um fenómeno novo. Este fenómeno novo consiste em que também a sociedade civil considera ter o direito e o dever de se pronunciar sobre temas que a Igreja julgava pertencerem ao seu domínio exclusivo, ou seja, à esfera da sua vida interna, de tal modo que seria abusivo alguém intrometer-se nesse campo. Exemplos desta intervenção são os debates da opinião pública em geral, portanto, incluindo pessoas que nem sequer são membros da Igreja, sobre questões como a liberdade na Igreja, a igualdade da mulher na Igreja, o celibato dos padres... Fundamenta-se este direito de intervenção no facto de se tratar de questões de humanidade, que, por isso mesmo, não são da competência exclusiva da Igreja e podem e devem ser discutidas por todos os homens.
Devido inclusivamente a uma série de escândalos que, nos últimos tempos, causaram enorme perplexidade, a opinião pública tem-se tornado particularmente sensível à questão do celibato enquanto lei (sublinhe-se: enquanto lei). Muitos homens e mulheres, tanto fora como dentro da Igreja, sensíveis ao Evangelho, à dignidade e à liberdade, interrogam-se sobre a legitimidade da lei do celibato. Poderá a Igreja impor como lei aquilo que o Evangelho entrega à liberdade?
Parece não haver dúvidas: enquanto continuar o celibato como lei, a Igreja estará sob o fogo da suspeita. Por isso, a Igreja talvez não fizesse mal em ouvir alguns dos seus membros melhores, mais lúcidos, empenhados e competentes. Herbert Haag, por exemplo, o famoso exegeta da Universidade de Tubinga, declara expressamente que a lei do celibato contradiz o Evangelho. Bernhard Haering, o célebre renovador da teologia moral, exprimiu a opinião segundo a qual o celibato enquanto lei pode ser desumano e é contra o Evangelho. Ora, estas vozes são tanto mais significativas quanto provêm de pessoas que, quando se pronunciaram, nem sequer eram parte interessada: para lá do mais, tanto um como o outro eram professores jubilados e preparavam-se para morrer com dignidade.
A Igreja não tem que ter medo nem existe para salvaguardar o poder. O seu lema só pode ser o do Evangelho: "a verdade libertar-vos-á, a verdade far-vos-á livres".

Se houver anjos, até eles cobriram o rosto com vergonha. De facto, os relatórios chegados ao Vaticano desde 1995 sobre os abusos sexuais de padres com religiosas, e agora apresentados pela prestigiada revista católica norte-americana National Catholic Repórter, são demolidores. Trata-se de cinco relatórios elaborados por religiosas de várias congregações e um padre norte-americano. São referidos concretamente vinte e três países dos vários continentes, mas com predomínio para a África. Contam como, em troca de favores, padres querem sexo; como sobretudo em África, onde a SIDA alastra, as freiras jovens são solicitadas por constituírem, em princípio, baixo risco para relações sexuais; como sacerdotes engravidam religiosas e as aconselham a abortar.
Um dos relatórios mais pormenorizados é o da irmã Maura O'Donohue, médica e membro da Ordem das Missionárias Médicas de Maria. "Com grande tristeza", escreveu, "as irmãs informaram-me que os sacerdotes as exploram sexualmente porque eles também temem ficar infectados pela SIDA". Num determinado país, perante a recusa da proposta de um grupo de sacerdotes a solicitar que numa comunidade as irmãs fossem postas à sua disposição, eles explicaram que não teriam outro remédio senão ir à cidade à procura de mulheres, com a consequente possibilidade de contrair SIDA. À secretária do cardeal espanhol Eduardo Martínez Somalo, prefeito da Congregação para a Vida Religiosa, chegou documentação dramática, apontando casos concretos. Num país africano, o bispo local dissolveu a direcção de uma congregação diocesana, após a queixa de que 29 das irmãs tinham engravidado em contacto com sacerdotes. Num outro caso, o sacerdote que levou uma religiosa a abortar presidiu, após o seu falecimento na operação, ao funeral.
Que nalguns países o celibato não seja considerado um valor espiritual e sobretudo a posição de inferioridade da mulher na sociedade e na Igreja serão algumas das razões explicativas de algumas religiosas não recusarem favores sexuais a um clérigo. Diz o relatório da irmã Mary MacDonald (O Problema do abuso das religiosas africanas na África e em Roma), elaborado em 1998: "Estes homens são vistos como figuras de autoridade que devem ser obedecidos". De qualquer forma, em princípio a situação das religiosas que engravidam acaba por ser mais dramática e dolorosa do que a do padre: em geral, são expulsas da congregação, tendo de criar os filhos a maior parte das vezes sozinhas, havendo inclusivamente casos em que a única saída poderá ser ir para a rua como prostitutas.
Diz-se que, quando leu os relatórios pela primeira vez, o cardeal Martínez Somalo chorou amargamente. Perante abusos degradantes e tragédias pessoais, tinha razões para isso. E haverá sanções adequadas, que, como está previsto no Código de Direito Canónico, podem chegar à secularização ou redução ao estado laical dos sacerdotes.
Esquece-se, porém, a raiz do problema. O Evangelho manifesta compreensão para com o pecador, todos os pecadores. Mas aqui o que está em questão é, antes de mais, o sistema e a sua inverdade. Contra a vontade de Jesus, a Igreja foi transformada numa instituição com duas classes - clero e leigos - e impôs-se o celibato como lei aos padres. Deste modo, há o risco real de tudo continuar na mesma enquanto não houver a coragem evangélica de acabar com a lei do celibato, entregando-o à liberdade. E precisamente da liberdade também nasce a entrega generosa: com a notícia destes escândalos e ignomínias apareceu uma outra: ao longo dos últimos dez anos mais de 600 missionários foram assassinados, isto é, deram testemunho do Evangelho, isto é, da dignidade livre e da liberdade na dignidade, até à morte.

(Anselmo Borges - "Janela do (In)Visível")

Bishop Of Arundel Kieran Conry seen leaving his home in Kent and out shopping at his local waitrose with a mystery woman
 


HYPERLINKS:
* Celibato e pedofilia: o rei vai nu!
*Há correlação entre celibato e pedofilia?
* A sexualidade é uma espécie de patologia do cristianismo e da Igreja
* Entre a batina e a aliança
* Sexo e Contradições na Igreja Católica
*Sexo e confessionário
* Celibato obrigatório, o veneno que asfixiou a Igreja romana
* A Hipocrisia do Celibato Católico Romano
* O Calvário Vergonhoso da Igreja Romana
* Pedofilia e Igreja romana: O problema é do celibato imposto?
* Bispo inglês renuncia após revelar relacionamento amoroso com uma mulher casada seis anos atrás

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 20:55


Comentar:

Comentar via SAPO Blogs

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.



Mais sobre mim

foto do autor


Pesquisar

Pesquisar no Blog

Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2016
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2015
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2014
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2013
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2012
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2011
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2010
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2009
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2008
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2007
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D

subscrever feeds