Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]




A Solidão da alma

por Thynus, em 21.07.11
A solidão é uma condição inevitável da vida e nela são refletidos desejos de reflexão e de contemplação, de tristeza e angústtia, de silêncio e oração, de espera e de esperança. A solidão interior e a solidão dolorosa são os dois aspectos com os quais ela se manifesta em nossas vidas. A solidão interior que leva à reflexão, que conduz à criatividade, mas que não isola o sujeito do mundo exterior e a solidão como doença do corpo, que freia os ideais, congela as relações com o mundo exterior e, gradualmente, bloqueia-os . Borgna desde sempre, embora declarando indispensável o uso de medicamentos no caso de psicose, defende a necessidade de se relacionar com o paciente e penetrar no seu mundo, para entender quando a solidão é tolerável ou quando é uma angústia, manifestação esta esstudada pela primeira vez por Freud em 1926 e considerada um estado afetivo doloroso, resultante da separação do "objeto" de amor primário, a mãe. Eis, então, duas angústias, uma como sinal, a outra como trauma, negativa, onde nos movemos sozinhoa. Se é verdade que se morre sozinho, é ainda mais verdade que não se nasce sozinho e é com base nas relações que a criança poderá tecer com o mundo exterior e em particular com a "mãe-ambiente", que ela estará habilitada para ser capaz de separar-se da mãe, sem traumas, porque tê-la-á interiorizada. Eis então como nunca nos sentiremos sozinho nem mesmo numa ilha deserta, porque dentro de nós não estaremos sozinhos. Mas a segunda solidão é muito mais universal e não se cura com fármacos, mas sim com conversa e diálogo, desde sempre defendidos por Borgna, tanto com os doentes como com os seus leitores. Adquirir a capacidade de estar sozinhos põe, portanto, em ressonância o diálogo consigo mesmo e com os outros e a psicanálise é como um exercício sobre a solidão, tentando fazer dela um pensamento a ser aceitável e tolerável. Ele cita uma das melhores páginas da literatura, quando o menino doma a raposa no "O Pequeno Príncipe".Eugenio Borgna, Novara, 1930, é o principal emérito de psiquiatria no Hospital Maggiore de Novara e docente na Clínica de Doenças Nervosas e Mentais, da Universidade de Milão. O tema da solidão é de suma importância para ele tanto desde o ponto de vista psicológico, como do ponto de vista humano e até cristão, porque: "Nós não somos ilhas longe do mundo, a vida mostra-nos que podemo-nos ajudar e organizar apenas quando estamos juntos, uns com os outros. " Homem gentil, muito alto, mas com uma graça e uma elegância inatas, ao falar, segurando o relógio na mão. Deixa-se absorver no que ele diz, mas para os ouvintes é uma presença muito reconfortante, um homem meigo, mas decidido que fez da escuta e da conversa toda a sua vida. É Impossível, realmente, sentir-se sozinho quando o ouvimos, porque sentimo-nos escutados e compreendidos, mesmo estando em silêncio.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 20:15



Mais sobre mim

foto do autor


Pesquisar

Pesquisar no Blog

Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2016
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2015
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2014
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2013
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2012
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2011
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2010
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2009
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2008
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2007
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D