Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]




A Náusea

por Thynus, em 05.12.10
A Náusea é uma dimensão metafísica e uma atitude psicológica nos confrontos da existência, que nos invade completamente, a tal ponto que as coisas, o “em-si”, têm uma incidência enorme sobre a consciência, o “para-si”: as sensações suscitadas pelas coisas são antes demais repulsa e desgosto, justificados pelo facto de que aquilo que nos circunda nos toca, contra a nossa vontade, e nos oprime. Os objectos que quotidianamente observamos à nossa volta constituem um "excesso", possuem tal plenitude e grandeza que resultam sufocantes e geradores de vómito (alguns estudiosos revêem uma certa analogia da náusea com a Metamorfose de Kafka, também essa marcada por um senso de horror por tudo aquilo que nos toca e nos oprime. Eis como o protagonista do romance-diário, Antoine Roquentin, estabelecendo-se durante três anos em Bouville – onde se desenrolam os acontecimentos - para completar as suas investigações históricas sobre o marquês de Rollebon, vivido no período setecentista, experimenta pela primeira vez a Náusea, e a descreve assim: «(...) A Náusea apanhou-me, deixei-me cair por cima do banco, não sabia mais onde estava; via as cores girar lentamente à minha volta, tinha vontade de vomitar. (...) Desde aquele momento a Náusea não mais me deixou, possui-me». Nestas poucas linhas nota-se muito claramente como este tipo de sensação afecta tanto a parte sensível (os sentidos) como a parte racional (o conhecimento) da consciência o indivíduo. A condição humana acaba por configurar-se, portanto, como um solitário e angustiante experimentar as coisas que estão à nossa volta, chegando mesmo a provar aquilo a que o autor chama "horror de existir" . Neste ponto a Náusea não se configura mais como um estado doloroso transeunte, «não é mais uma doença nem um ímpeto passageiro: sou eu mesmo», escreve Sartre. Na cena seguinte, que se desenrola no jardim público, Roquentin observa a raiz de um castanheiro e só naquele instante se dá conta de ter compreendido a verdadeira natureza das coisas, ou seja, a sua insensatez e a sensação de sufoco que elas suscitam. Somente a solidão em que imergiu o protagonista consentirá a este último tomar as distâncias da inautenticidade do mundo dos outros e do comum divertissement. Do momento em que o sujeito central de todo o romance é a contingência, a injustificabilidade dos objectos à nossa volta que não compreende tudo aquilo que pertence à esfera dos Salauds, os porcalhões, ou seja, aqueles que mentem a si mesmos e aos outros com o único fim de dar um sentido, o mais alto e nobre possível, à própria existência: é a atitude que noutros lugares Sartre chama “má fé”. Esta última diferencia-se da mentira em quanto põe em perigo a própria estrutura da consciência. A ma fé é, por outras palavras, mentira contra si mesmo e sobre si mesmo; de facto, aquele que mente deve conhecer a verdade para poder dissimulá-la e aquele ao qual se mente deve crer neste engano. Parafraseando Sartre em o Ser e o Nada, «para que seja possível a má fé, é preciso que a sinceridade mesma esteja na má fé».
Eis sumariamente o que é a Náusea: o indivíduo aparece, portanto só, perdido, desgostoso do mundo em que vive e não sabe como comportar-se. Mas existe um comportamento que impede, pelo menos em parte, a Náusea de paralisar-nos no desgosto e no horror: socorrer-se da própria liberdade e assumir-se a responsabilidade de toda a acção. Liberdade e responsabilidade são, portanto, junto com a solidão e o exílio, duas das categorias fundamentais que melhor descrevem a "condition umaine" contemporânea. O indivíduo está só em cada instante, embora viva em sociedade, e está por isso mesmo condenado tanto a decidir como a agir; é, portanto, livre de escolher, livre de viver - mesmo sendo condicionado pelos outros - e livre até mesmo de não ser livre, ou seja, livre de deixar-se viver, no sentido que a sua existência acaba manipulada e decidida pelos outros (é claro que, neste caso, trata-se de uma existência inautêntica, não querida e não escolhida com plena autonomia).

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 23:32


Comentar:

Comentar via SAPO Blogs

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.



Mais sobre mim

foto do autor


Pesquisar

Pesquisar no Blog

Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2016
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2015
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2014
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2013
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2012
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2011
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2010
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2009
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2008
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2007
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D

subscrever feeds